Saúde

Homens representam 1% do total de casos de câncer de mama no Brasil

Publicado

Para cada 100 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, existe um homem atingido pela doença. Isso significa que os homens representam 1% do total de casos de câncer de mama no Brasil.

A médica Fabiana Tonelotto, chefe do Serviço de Mastologia do Hospital do Câncer 3 (HC3), unidade do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) alerta que os homens devem estar atentos a qualquer mudança ou alteração nas mamas.

Retração de pele, aparecimento de nódulos ou caroços, secreção pela aréola (mamilo), gânglios ou ínguas nas axilas são os sintomas mais comuns de câncer de mama em homens, além de vermelhidão na área do peito e coceira.

Fabiana Tonelotto revela que o tratamento para os homens é igual ao das mulheres, com radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia. Ela explica que como a mama é pequena e atrofiada no homem, não tem tecido para que se faça uma cirurgia conservadora. E como o homem tem pouco tecido mamário, há mais facilidade de o câncer infiltrar na pele e no músculo posterior do peito, provocando metástase. “Por isso, esse tratamento é mais radical, com mastectomia [remoção da mama]”, conta. O tumor fica grande em relação ao tamanho da mama. “Toma uma proporção que não se pode poupar o tecido mamário”, disse a especialista.

Genética

A médica do INCA advertiu também que sempre que ocorre um caso de câncer de mama em homens, é preciso avaliar todas as mulheres da família, porque pode haver uma mutação genética de BRCA (família de genes), o que aumenta o risco de ter a doença. Em alguns casos, Fabiana disse que pode ser pedido um teste genético. “É uma avaliação bem importante que se faça”.

Leia mais:  Pesquisa identifica composto com potencial para tratamento da malária

Segundo Fabiana, é quase desnecessário que o paciente faça uma reconstrução da mama, porque os homens não têm mamas grandes. O que pode ser feito é a tatuagem do mamilo ou aréola.

Os casos de câncer de mama em homens não são frequentes no atendimento do INCA, porque são raros, uma vez que representam somente 1% do total de casos de câncer de mama. Pelo fato de não estar entre os tipos de câncer mais incidentes, o câncer de mama masculino não está incluído nas estimativas do INCA.

Estatísticas

De acordo com dados disponibilizados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), do Ministério da Saúde, houve no país 16.724 mortes por câncer de mama feminino e 203 mortes por câncer de mama masculino no Brasil, em 2017. Em 2016, foram16.069 mortes por câncer de mama feminino no país e 185 mortes por câncer de mama masculino e, em 2015, ocorreram 15.403 mortes por câncer de mama feminino no Brasil e 187 mortes por câncer de mama masculino.

Outros fatores

De acordo com dados do INCA, disponibilizados pela assessoria de imprensa do órgão do Ministério da Saúde, outros fatores de risco para o câncer de mama em homens são condições que podem aumentar o nível de estrogênio no corpo, como obesidade, alcoolismo, doença hepática, síndrome de Klinefelter (quando uma pessoa do sexo masculino apresenta um cromossomo X a mais); e radioterapia prévia para a área do tórax.

Leia mais:  Opas negocia entrega de doses extras de tríplice viral ao Brasil

Recidiva

Hélio Pepe foi diagnosticado com câncer de mama em 2012. Operou pela primeira vez em 2013 e, como a doença voltou, precisou operar novamente, em maio do ano passado. “Hoje, estou curado, não tenho mais nada”, disse à Agência Brasil. Trabalhador autônomo, com 61 anos de idade, Hélio revelou que teve que recorrer à Justiça Federal para receber benefício do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), já que está afastado do trabalho. “Mesmo com toda a documentação do INCA, foi uma luta conseguir alguma coisa no INSS. Mas as coisas estão caminhando”, assegurou. Indagado se pensava em fazer uma tatuagem do mamilo, foi enfático ao responder: “Não vejo necessidade. O importante é a saúde”.

Casado e pai de dois filhos, Hélio viu um dos rapazes, de 31 anos, operar pela quarta vez de lipossarcoma (tumor maligno de tecido adiposo) no retroperitônio (na barriga), no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A última cirurgia foi na semana passada, no intestino.

Por sugestão de geneticista do INCA, Hélio Pepe se submeteu a exame para detectar se pode haver relação genética entre o câncer de mama que ele teve com a doença do filho. O resultado é esperado para o final deste ano.

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Saúde
Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

Publicado

O envolvimento de agentes comunitários de saúde no fluxo de atendimento ao paciente pode reduzir o tempo para o diagnóstico de câncer e aumentar a sua chance de cura. A avaliação é da oncologista e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC), Nise Yamaguchi, que defende a fila zero no atendimento ao câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS).

O desafio, segundo ela, é ter um sistema integrado e melhorar o fluxo da paciente ainda na atenção básica.

 Nise Yamaguchi

Nise Yamaguchi – Roberto Navarro/Alesp/Direitos Reservados

“Acontece muito, pacientes fazem mamografia, dão alteradíssimas, mas elas não voltam para pegar o exame e ninguém vai atrás. O sistema deveria acender a luz vermelha, a equipe deveria ligar, ir atrás da paciente, se já está começando a suspeita de câncer já pode entrar no sistema”, explicou. “Com a proatividade já se resolve”, ressaltou.

Fluxo de atendimento

Nesse Outubro Rosa, mês dedicado à prevenção e combate ao câncer de mama, a SBC alerta que 90% dos cânceres de mama podem ser curados quando detectados em estágios iniciais. O diagnóstico precoce também permite tratamentos menos agressivos e maior possibilidade de preservação da mama.

Leia mais:  Município paraense implementa projeto de prevenção da raiva

Além da fila zero no SUS, Nise explica que é preciso também melhorar o fluxo de atendimento na saúde suplementar, de planos privados de saúde. “Falta ainda a consciência de como a paciente tem que navegar rapidamente dentro do sistema, das consultas, aos exames e tratamento”, disse, contando que já existe uma inciativa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sobre um modelo de cuidado em oncologia.

Em 2019, o Brasil deve registrar quase 60 mil novos casos de câncer de mama, segundo levantamento do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Trata-se do tumor mais incidente entre mulheres depois do câncer de pele não-melanoma.

Exames em 30 dias

Um projeto em tramitação no Congresso Nacional prevê que os exames relacionados ao diagnóstico de câncer sejam realizados no prazo de 30 dias, após a primeira suspeita do médico. A Lei 12.732/2012  já prevê 60 dias entre o diagnóstico e o início do tratamento do câncer. Entretanto, para Nise, o cumprimento desses prazos será um desafio, já que, atualmente, esse tempo entre diagnóstico e tratamento chega a quase um ano.

Leia mais:  Estados com letalidade maior por câncer têm mais desigualdade social

 

 

Edição: Nélio de Andrade

Fonte: EBC Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Concorrência pode reduzir custo de medicamentos biológicos

Publicado

A concorrência pode ajudar a reduzir os custos de tratamento com medicamentos biológicos, afirma o médico oncologista Stephen Stefani. Ele publicou neste ano, junto com outros cinco especialistas, um artigo sobre o acesso à tecnologia de ponta em tratamentos contra o câncer na The Lancet, revista científica do Reino Unido. “Ter mais do que um fornecedor no mercado gera necessidade de criatividade dos fornecedores”, enfatizou ao palestrar sobre o tema em um workshop promovido pelo laboratório Libbs.

No caso dos medicamentos biológicos, desenvolvidos a partir de anticorpos e proteínas de animais e seres humanos, tem papel importante, segundo o médico, os biossimilares. Essas drogas são elaborados a partir de células, isolando as moléculas que produzem os efeitos desejados em cada caso. Os biossimilares são medicamentos que apresentam resultados equivalentes aos produtos originais.

“Só com a entrada de biossimilares no mercado, nós vamos ter reduções que vão variar de 20% a 40% do custo daquele tratamento”, enfatiza Stefani. Assim, de acordo com ele, é possível aumentar o acesso a esse tipo de tecnologia.

Mais eficientes

O médico explica que os medicamentos biológicos permitem, no caso de tratamentos de câncer, uma ação mais eficiente do que a quimioterapia convencional. A partir da identificação de determinadas moléculas, é possível fazer com que o sistema imunológico identifique e reaja às células do tumor, por exemplo. Uma ação menos agressiva que o tratamento químico, que acaba agredindo todo o organismo. “A gente não tinha como verificar aquela célula especificamente, e tinha que dar veneno para todo mundo”, ressalta.

Leia mais:  Perícia confirma que incêndio começou em gerador do hospital

Segundo Stefani, os resultados com esse tipo de droga têm se mostrado cada vez mais promissores. “Os resultados são tão impressionantes que a gente passou a curar tumores que não curava”, destaca. E, em breve, ele acredita que mais doenças serão tratadas dessa forma. “Tudo que nós estamos vendo em câncer hoje vai ser manchete para qualquer doença, e as mais frequentes, em muito pouco tempo”, acrescenta.

Custos elevados

No entanto, o especialista pondera que os custos da tecnologia de ponta são cada vez mais elevados, impactando os sistemas de saúde. Por isso, ele defende que seja feita uma discussão aberta sobre ra relação entre custo e benefício das novas drogas e da própria forma como são feitos os gastos, especialmente no sistema público de saúde. “Essa preocupação já chegou na agenda de países ricos”, diz.

Esses novos tratamentos chegam ao mercado, segundo o médico, com um valor médio de US$ 10 mil mensais. Nesse contexto, Stefani defende uma preparação do sistema de saúde que fuja das demandas judiciais que obrigam a oferta dos novos medicamentos apenas para os beneficiados pelas decisões de magistrados. “A judicialização é um veneno, porque privilegia quem sabe judicializar”, critica.

Leia mais:  Governo lança campanha para jovem valorizar vínculo social real

Biossimilar nacional

A fábrica do laboratório Libbs em Embu das Artes recebeu um financiamento de R$ 250 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para produzir nacionalmente um biossimilar equivalente a uma droga importada. A construção foi iniciada em 2013, sendo concluída em 2016. Depois de três anos de operação, a unidade recebeu em junho deste ano a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o anticorpo rituximabe, indicado para tratamento de linfomas.

O projeto prevê ainda a transferência da tecnologia para o Instituto Butantã. A droga já está sendo produzida em escala industrial. Porém, até o momento as vendas têm atendido apenas o setor privado de saúde.

Segundo o diretor de negócios do laboratório, Marco Dacal, apenas o anúncio da entrada do medicamento no mercado nacional provocou uma queda de 22% no preço da droga de referência. O custo mensal do tratamento com os anticorpos obtidos por meio de clonagem fica em torno de R$ 6 mil.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana