Educação

Pontes aguarda verba do Ministério da Economia para bolsas do CNPq

Publicado

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, disse que aguarda a liberação de recursos pelo Ministério da Economia para pagamento das bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimentos Científico e Tecnológico (CNPq).

“Qual a solução para um problema desse? A solução vem do Ministério da Economia de se colocar um orçamento extra, com crédito e limite. Isso está na mão do Ministério da Economia, então venho pressionando há bastante tempo e tenho falado: ‘a situação vai ficar crítica em agosto, setembro’, porque nosso orçamento só chega até ali”, disse o ministro.

A declaração ocorreu durante a palestra Caminhos e o Futuro da Ciência e Tecnologia no Brasil, que abriu a 31ª Semana da Escola de Engenharia, da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). Com o tema Ciência, Inovação e Tecnologia, o evento reúne empresários do setor e pesquisadores para debater os desafios dos próximos anos. A programação inclui palestras e oficinas.

Por meio de nota, o Ministério da Economia informou que as solicitações de crédito orçamentário do MCTIC estão sendo avaliadas no âmbito da Junta de Execução Orçamentária, responsável pelo assessoramento direto ao Presidente da República na condução da política fiscal do governo.

Orçamento para bolsas

Pontes explicou que o orçamento destinado às bolsas do CNPq tem um déficit de mais de R$ 200 milhões do ano passado. “Já venho avisando sobre a questão do CNPQ desde o começo do ano porque isso vem do orçamento do ano passado, que tinha R$ 784 milhões, sabendo que o orçamento [necessário] para pagar as bolsas até o final do ano era de R$ 1,58 bilhão. Então, já era uma carta cantada e eu vim falando durante um tempo e chegamos a essa situação”.

Leia mais:  Museu Nacional do Rio deve reabrir exposição no palácio em 2022

Segundo o ministro, houve reestruturação de verba dentro do próprio ministério para garantia de pagamentos das bolsas por mais um mês. “Inclusive para estender um pouquinho, eu cortei projetos, cortei a parte de fomentos, R$ 82 milhões que eu tinha na parte de fomentos do CNPq transferi para as bolsas, para estender mais um mês. Até o dia 5 de outubro, eu tenho esse recurso para pagar e aí não tenha mais como fazer isso no ministério”.

Ele afirmou que a previsão de orçamento para o próximo ano inclui o valor total necessário para a garantia das bolsas, mas outras áreas terão cortes. “Pelo orçamento, as bolsas vão estar cobertas até o final do ano [que vem]. A parte de fomento perdeu bastante, aí é uma coisa que a gente vai ter de correr atrás. Dentro do orçamento do ano que vem, está prevista a carga completa para as bolsas do CNPq, o que dá um alívio. Em relação aos outros projetos, vamos ter que achar soluções”.

Leia mais:  Provas do Encceja Exterior serão aplicadas domingo em 12 países

Investimentos

“Ciência e tecnologia não são gastos, são investimentos. Todos os países desenvolvidos investiram em ciência e tecnologia. [Se você tem] investimento em ciência e tecnologia, você tem retorno rápido, alto, garantido. É por meio da ciência e tecnologia que você traz inovações, com inovações vão trazer startups, novas empresas, novos produtos, novos serviços”, disse Pontes.

“A gente sabe que o futuro é composto de conhecimento. Os países que não cuidarem de conhecimento, vão estar muito atrás. Com tecnologia, a gente melhora a agricultura, toda a parte de segurança do país, produção, todas as áreas são favorecidas pela ciência e tecnologia”, acrescentou.

No entanto, para garantir recursos, ele afirmou que o ministério foi reconfigurado a fim de permitir a participação do setor privado. “O setor privado quando investe em tecnologia, tem mais lucro, ele consegue desenvolver melhor suas empresas, produtos e serviços. Acho que a solução passa por aí. Na dificuldade de fundos da parte pública, a gente corre atrás da participação privada”.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
publicidade

Educação

Termina hoje o prazo para solicitar atendimento especializado no Enade

Publicado

Os estudantes concluintes dos cursos que serão avaliados no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) 2019 têm até hoje (13) para solicitar atendimento especializado, específico ou por nome social, caso necessário. O pedido deverá ser feito pelo próprio estudante, por meio do Sistema Enade.

O atendimento especializado destina-se a pessoas com baixa visão, cegueira, visão monocular, deficiência física, deficiência auditiva, surdez, deficiência intelectual (mental), surdocegueira, dislexia, déficit de atenção, autismo e discalculia.

O atendimento específico é oferecido a gestantes, lactantes, idosos ou pessoa com outra condição específica. Já o atendimento por nome social aplica-se às pessoas que se identificam e querem ser reconhecidas socialmente em consonância com a sua identidade de gênero.

Questionário do Estudante

Todos os estudantes formandos nos cursos avaliados devem responder ao Questionário do Estudante até 21 de novembro. O documento, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), faz parte do processo avaliativo e o preenchimento é obrigatório. O formando que não preencher o formulário ficará irregular junto ao Enade e, mesmo que cumpra todas as outras obrigações do exame, não conseguirá colar grau.

Leia mais:  Consulta pública do Future-se tem mais de 55 mil cadastrados

O Enade 2019 será aplicado no dia 24 de novembro. O exame é composto por uma prova para avaliação de desempenho dos estudantes e um Questionário do Estudante. No histórico escolar do estudante, ficará registrada a situação de regularidade em relação ao Enade.

Neste ano, o Enade avaliará os cursos das áreas de ciências agrárias, ciências da saúde e áreas afins; engenharias e arquitetura e urbanismo; e os cursos superiores de tecnologia nas áreas de ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais, militar e de segurança.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Continue lendo

Educação

Arte de alunos de Nova Iguaçu vai estampar uniformes escolares no Rio

Publicado

Três alunos do Ciep General Osório, de Nova Iguaçu, venceram o concurso para criação de uma logo para os novos uniformes da rede de ensino estadual do Rio.

A arte estampará 2,1 milhões de uniformes que serão distribuídos a 700 mil alunos de todo o estado em 2020. Será a primeira vez, em dez anos, que a rede estadual de educação vai distribuir uniformes a seus alunos.

A equipe vencedora, formada pelos alunos do ensino médio José Nascimento, Kellytha dos Santos e Vitor Paiva, foi recebida hoje (12) pelo governador Wilson Witzel e pelo secretário de Educação, Pedro Fernandes. Witzel prometeu um prêmio extra aos estudantes: uma viagem a Miami (EUA), onde conhecerão empresas do setor de design.

Governador do Rio, Wilson Witzel, recebe os alunos do Ciep Nova Iguaçu, vencedores do concurso da nova logo que vai estampar os uniformes escolares no próximo ano

Governador do Rio, Wilson Witzel, recebe os alunos do Ciep Nova Iguaçu, vencedores do concurso da nova logo que vai estampar os uniformes escolares no próximo ano – Paulo Fernando/Secretaria de Educação do Rio

A diretora do CIEP General Osório, Leandra Aleixo Nunes, disse que todos ficaram emocionados com a vitória dos alunos. “A gente ficou sem palavras, porque é todo um trabalho desenvolvido com eles. Vibramos muito até porque a escola inteira participou pedindo curtições. Todo mundo envolvido, os professores, a família. Todos pedindo voto”.

Leia mais:  Museu Nacional do Rio deve reabrir exposição no palácio em 2022

O prêmio extra anunciado pelo governador pegou a todos de surpresa, disse Leandra. A diretora aguarda contato da secretaria para formalizar a viagem dos estudantes.

A logo vencedora foi escolhida em votação que mobilizou 217 mil pessoas nas redes sociais da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc). A equipe vencedora recebeu 9.719 curtidas – o equivalente a 23% do total de votos. O concurso sobre o tema Juventude pela Paz nas Escolas foi realizado entre os dias 2 e 10 deste mês, na rede estadual de ensino.

Reconhecimento

José Nascimento, 19 anos, aluno da 1ª série do ensino médio no CIEP General Osório, é o autor da ideia que os colegas Kellytha e Vitor reproduziram no computador. “Nós tivemos ajuda dos professores e do pessoal da escola”, disse à Agência Brasil.

Segundo ele, a equipe pensou em conjunto como poderia traduzir o tema do concurso em uma logo para ser usada nos uniformes da rede pública. “É muito gratificante saber que o trabalho vai ser reconhecido daqui a meses. Todas as escolas vão ter esse trabalho nas camisas. É bom porque é um trabalho que vai ser reconhecido pelo povo, não só pelos alunos, mas pelos diretores, pelos professores, toda a rede estadual de escolas. É muito gratificante”, reforçou.

Leia mais:  Capes vai ofertar 3,1 mil novas bolsas de estudo até 2020

O estudante acredita também que a vitória pode estimulá-los a seguir a carreira de designer. Por enquanto, o sonho do estudante é trabalhar na área de segurança. “Uma carreira básica”, definiu.

O secretário de estado de Educação, Pedro Fernandes, agradeceu a todas as escolas que participaram do processo e parabenizou os moradores de Nova Iguaçu e, em especial, os alunos vencedores.

“Ano que vem, serão 2,1 milhões de novos uniformes distribuídos para os nossos alunos, com a logo que vocês escolheram”, afirmou.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana