Tecnologia

De graça! 30 aplicativos e jogos para Android estão abertos por tempo limitado

Publicado

Olhar Digital

app arrow-options
Pixabay

Confira os 30 aplicativos gratuitos.


Os aplicativos permitem que os smartphones façam as tarefas mais inusitadas. Quando é possível obtê-los de graça, é melhor ainda. De tempos em tempos, os desenvolvedores distribuem suas criações gratuitamente para atrair novos usuários, já que muitos têm receio de experimentar conteúdo pago.

A lista a seguir contém apps e games que estavam disponíveis gratuitamente na Play Store e foram verificados pelo Olhar Digital. Esses  aplicativos estão gratuitos por tempo limitado, mas depois de instalados ficam vinculados à conta do Google para sempre. Ou seja, eles podem ser baixados a qualquer momento sem que seja preciso pagar.

Leia também: Conheça apps gratuitos que ensinam libras, inglês e espanhol

Vale observar, ainda, que as promoções podem ser encerradas a qualquer momento. Então, ao abrir um app da lista na loja de aplicativos e o botão de aquisição não mostrar a palavra “Instalar”, mas o preço original do app, significa que ele voltou a ser pago: se você baixá-lo, será cobrado por isso.  Confira a lista:

Leia mais:  É hora de revisar: conheça 6 aplicativos que vão te ajudar no ENEM

Leia também: Adeus, vício: 7 ferramentas para controlar o tempo de uso do celular

Aplicativos

Jogos

Personalização

Leia mais:  Android ganha função de conversa automática com serviços emergenciais

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Mi Store Brasil desaparece e prejudica milhares de clientes

Publicado

source

Olhar Digital

Xiaomi fez sucesso no Brasil e loja não-oficial aproveitou para lucrar arrow-options
Divulgação/Xiaomi

Xiaomi fez sucesso no Brasil e loja não-oficial aproveitou para lucrar


Antes de a Xiaomi chegar oficialmente ao Brasil , através da parceria com a DL Eletrônicos , e posteriormente com a loja oficial aberta em São Paulo , o site ” Mi Store Brasil ” era o meio utilizado por aqueles que queriam comprar um celular da marca chinesa. Nas últimas semanas, o portal voltou a ficar em evidência, mas por um motivo negativo. A loja deixou de entregar todos os pedidos feitos a partir da Black Friday , saiu das redes sociais, desativou o site e não responde nenhum contato.

Quando a fabricante chinesa chegou ao brasil, a Mi Store foi muito beneficiada, já que era o primeiro resultado para as buscas no Google . A Xiaomi tentou de tudo para derrubar o domínio ” MiStoreBrasil.com ” antes de começar suas operação no país, mas não teve sucesso. Aqueles fãs de longa data da marca já sabiam que o site não era muito confiável. O Reclame Aqui possuiu diversas reclamações em relação à loja. Porém, aqueles que quiseram aproveitar a Black Friday para comprar seu primeiro Xiaomi foram pegos de surpresa.

Leia mais:  Motorola anuncia quatro novos smartphones; veja fotos e especificações

Reprodução

Complicações

Com isso, diversos pedidos foram feitos durante a Black Friday e o Natal , e literalmente todo mundo ficou no prejuízo. O que se sabe até agora é que o último status recebido para todas as compras são de “aguardando envio”, o site da loja está fora do ar, como mostra a imagem a cima, e todas as redes sociais foram excluídas. O número pode passar de mil clientes, com prejuízo médio de R$ 1,2 mil. Aqueles que procuraram à polícia foram desencorajados de fazer um boletim de ocorrência. Segundo os oficiais, é muito difícil avançar em casos que todos os dados “desaparecem”. Os clientes que pagaram pelo MercadoPago estão conseguindo estornar o valor gasto, mas o restante enfrenta dificuldades.

Leia também: Apple irá lançar cinco modelos de iPhone durante 2020, diz analista

As próprias vítimas tentam juntar o maior número de informações sobre a loja, mas elas são um tanto confusas. A Mi Store Brasil pertencia à empresa Action Sales Companhia Digital LTDA, com CNPJ 29.497.760/0001-38. Porém, a fatura do cartão dos clientes mostrava a loja com o nome JCell, e não Action Sales. A JCell possui um quiosque com o nome Mi Store Brasil em Blumenau, mas afirma que não possui nenhum vínculo com a Action Sales ou o site.

Leia mais:  Hackers conseguem alterar mensagens no WhatsApp, diz empresa de segurança

Sumiço

O caso fica ainda pior. Aqueles que fizeram a compra por boleto notaram que o beneficiário era a PAD Eletrônicos. Uma terceira empresa diferente. Esta última, porém, é proprietária da loja online Huawei Store Brasil e, afirma que “A PAD Eletrônicos é uma das empresas do GRUPO ACTION que também é gestora da conceituada loja www.mistorebrasil.com”.

Como é possível notar, não vai ser fácil encontrar os responsáveis pela loja e, consequentemente, pelo prejuízo de centenas, talvez milhares, de clientes. As próprias vítimas estão se unido em grupos de Telegram para se apoiarem e encontrarem novas informações. Porém, os crimes digitais ainda são subestimados no Brasil e, infelizmente, esse caso deve demorar para ter um desfecho. Lembrando ainda que o site oficial de vendas da Xiaomi possui o domínio ” https://xiaomi.distribuidornacional.com.br/ “.

Via: Mobizoo

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Milhões de modems em todo o mundo podem ser hackeados; entenda

Publicado

source

Olhar Digital

Modems de todo o mundo estão vulneráveis a ataques de hackers arrow-options
Arquivo iG

Modems de todo o mundo estão vulneráveis a ataques de hackers


Um grupo de pesquisadores dinamarqueses, chamado Lyrebirds , descobriu que centenas de milhões de modems em todo o mundo podem estar vulneráveis a uma falha de software chamada “Cable Haunt”.

A falha está nos sistemas da empresa Broadcom , mais especificamente em um chip usado em muitos modems que protege contra picos de energia no sinal do cabo. O ataque a essa vulnerabilidade é bastante difícil de realizar. Como alternativa, invasores estão inserindo códigos de ataques em páginas da internet ou e-mails, que, quando acessados, fazem com que o dispositivo da vítima seja infectado.

Se o ataque for bem-sucedido, os cibercriminosos  podem assumir o controle do modem e enviar os usuários de redes comprometidas para sites maliciosos , realizar transações online ou alternar o firmware do modem, disseram os pesquisadores.

Leia também: Vale a pena monitorar o celular dos filhos? Entenda os apps de controle parental 

Infelizmente, ainda não há uma solução definitiva para a falha “Cable Haunt”. Quatro provedores de serviços da internet na Escandinávia realizaram correções provisórias aos modems dos clientes, mas as empresas do resto do mundo parecem ainda não ter percebido o problema em seus aparelhos. 

Leia mais:  É hora de revisar: conheça 6 aplicativos que vão te ajudar no ENEM

Precauções para evitar ser infectado

No momento, é possível usar um sistema de antivírus para filtrar sites e e-mails maliciosos para que os dispositivos não sejam infectados. Isso vale para qualquer tipo de computador, pois o código de ataque não se importa com a plataforma utilizada.

Usar o Mozilla Firefox também pode ajudar. De acordo com os pesquisadores, a versão do protocolo de comunicação entre servidor e cliente do código malicioso parece não ser compatível com o usado no Firefox, por esse motivo, usar o navegador da Mozilla pode ser uma solução temporária.

Leia também: Mais de 6 petabytes: conteúdo do Pirate Bay demoraria 19 anos para ser baixado

A equipe Lyrebirds acredita que quase 200 milhões de modems podem ser vulneráveis ao “Cable Hunt” apenas na Europa. A equipe ainda não mensurou esse número no mundo todo.

Até o momento, não há casos de dispositivos infectados no Brasil, mas como essa é uma ameaça de nível global, nenhum país pode estar totalmente protegido. Caso as empresas de telecomunicação do país encontrem alguma vulnerabilidade por aqui, uma atualização de firmware deve ser liberada remotamente para corrigir o problema.

Leia mais:  Criminosos clonam contas do WhatsApp sem usarem vírus; saiba como se proteger

Via: Tom’s Guide

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana