Mato Grosso

Governo simplifica acesso de produtores e veterinários a guia de trânsito animal

Publicado

O Governo do Estado lançou nesta segunda-feira (04.11) a Guia de Trânsito Animal eletrônica. A medida vai permitir que produtores rurais possam realizar a operação de movimentação rodoviária de bovinos e bubalinos dentro do território mato-grossense, para finalidade de engorda e reprodução, da própria fazenda, sem a necessidade de se deslocar até uma unidade do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT).

A GTA eletrônica também facilitará que os médicos veterinários habilitados emitam a guia online  para abate e engorda de suínos, dentro do Estado.

“O nosso papel precisa ser o de desburocratizar, facilitar a vida do produtor, da população, de quem movimenta esse Estado. Essa é uma atitude simples, mas muito relevante para quem vive na atividade desse setor”, destacou o governador, lembrando que somente no ano passado foram mais de 700 mil GTAs emitidas no Estado.

“Isso significa dizer que essa foi a quantidade de atendimento, de pessoas que tiveram de procurar a nossa unidade do Indea, durante o horário comercial, durante cinco dias na semana, para que ele pudessse obter essa guia de transporte animal. É uma ação simples, mas impactante para facilitar a vida das pessoas, já que o setor produtivo não está limitado aos dias úteis e aos cinco dias da semana. Ele trabalha nos feriados, a noite se transporta e se produz. Ao criar esse mecanismo, nós estamos caminhando na missão que traçamos que é de simplificar, desburocratizar e fazer com que as ações sejam tratadas sob o âmbito digital, facilitando o serviço do governo e diminuindo o seu custo, mas acima de tudo, ajudando o cidadão”, destacou.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, ressaltou que além de ser um anseio e um clamor de toda a classe produtora, o fato do produtor e do médico veterinário poderem emitir a guia de qualquer lugar, só precisando de acesso à internet, “vai reduzir a burocracia, com o viés que o governador tem implantado desde o início de janeiro de 2019, de simplificar o ambiente de negócio, para que o empreendedor, produtor e industrial venham para Mato Grosso e se mantenham aqui”.

Miranda fez questão de destacar que o sistema acompanha todas as normas nacionais e internacionais sanitárias, para dar segurança ao produtor e aos compradores dos produtores mato-grossenses.

A abertura desse procedimento fora da rede física do Indea somente foi possível em virtude da segurança oferecida pelo Sistema Informatizado, mantendo os aspectos relacionados à integridade dos registros frequentemente auditados por organismos internacionais, interessados na importação de produtos com procedência e certificação sanitária à altura de seus consumidores.

“Todo o setor produtivo está comemorando isso, essa mobilidade que ganhamos. Os pecuaristas terem essa possibilidade é uma desburocratização imensa. Essa era a nossa principal reclamação”, destacou a diretora-executiva da Acrimat, Daniela Bueno.

O vice-presidente da Famato, Francisco Castro, também ressaltou a importância dessa ação para o setor. “Estou feliz de chegar esse momento em Mato Grosso. Somos 93 sindicatos rurais à disposição para o pecuarista poder fazer sua guia e também para ele aprender. Temos o Senar também, que irá fazer esse trabalho de ajudar e ensinar o pecuarista. Vamos fazer isso com muito gosto, pois agora podemos emitir isso dentro da fazenda”, frisou.

Um dos pontos destacados pelo representante do Ministério da Agricultura, José de Assis, sobre a liberação dessa guia, foi a evolução do Indea e da política para o setor agrícola em Mato Grosso. “É uma satisfação acompanhar essa evolução e desenvolvimento do setor produtivo. Nós estamos caminhando para um processo em Mato Grosso de facilitar a vida do produtor. Isso nos tranquiliza e estamos avançando para novas conquistas”, pontuou.

Parceria

O sucesso desse trabalho é fruto de uma parceria entre o setor produtivo e o Governo. Entre os parceiros estão o Fundo Emergencial de Saúde Animal (Fesa-MT), Fundo de Sanidade e Desenvolvimento da Suinocultura (FSDS), Sindicato das Indústrias de Frigoríficos do Estado de Mato Grosso (SINDIFRIGO), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (FAMATO), Associação dos Criadores de Gado de Mato Grosso (ACRIMAT) e Associação Mato-grossense dos Criadores de Ovinos (OVINOMAT).

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Pedro Satélite assume cargo na Assembléia Legislativa após deputado se licenciar

Publicado

O ex-deputado Pedro Satélite (PSD), que tem base eleitoral na região de Guarantã do Norte, volta à Assembleia Legislativa de Mato Grosso nesta semana. Ele assume o lugar do deputado Sebastião Rezende (PSC), que se licenciou “por motivos particulares” pelo prazo máximo de quatro meses. A expectativa é de que Satélite, que não conseguiu a reeleição em 2018, participe das sessões on line já nesta quarta-feira (17).

A licença do pastor Sebastião Rezende foi comunicada na sexta-feira (12), junto com o comunicado de substituição por Pedro Satélite, que não é o primeiro suplente da chapa. Por direito, a vaga seria do sinopense Silvano Amaral (MDB), que não vai sair da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SEAF) para voltar, provisoriamente, ao parlamento.

O segundo suplente, Toninho de Souza (PSD), que é vereador em Cuiabá e que já ocupou uma cadeira na Assembleia ano passado também abriu mão para atender ao “rodízio” da coligação e dar o acesso a Pedro Satélite.

O político do Nortão é experiente no parlamento. Se elegeu pela primeira vez em 1994, reelegendo-se duas vezes seguidas em 1998 e 2002. Nas eleições de 2006 e 2010 ficou na suplência, assumindo definitivamente em 2013. No ano seguinte, em 2014, reelegeu-se e em 2018, com 13.860 votos não conquistou a vaga.

Só Notícias/Marco Stamm 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Saúde de Mato Grosso entrará em colapso nos próximos dias

Publicado

O secretário de Estado de Saúde (SES), Gilberto Figueiredo, alertou que Mato Grosso já pode se considerar em estado de colapso da saúde pública. Os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) devem ter ocupação total já nos próximos dias e não há nada que possa ser feito com efeitos imediatos. A consequência dessa situação será um número inevitável de mortes por pacientes que serão tratados em leitos de enfermaria, mesmo necessitando de UTI. As afirmações foram feitas durante entrevista coletiva de imprensa nesta terça-feira (9), transmitida por meio das redes sociais.

“Marcar o dia exato [para o colapso] é complicado. Marcar o dia vai colapsar? Por que nós não podemos admitir que já colapsou? Porque, se nós já sabemos que vamos receber uma demanda de número de pacientes que não vai encontrar leitos de UTI nos próximos dias ou nas próximas horas, qual é o momento exato de dizer que [o sistema] colapsou? Se não tem leito à disposição, se não tem profissional à disposição, o que mais falta para decretar o colapso? Então, não nos enganemos, já colapsou!”, exclamou.

Gilberto explicou que a situação no estado já não está mais sob controle e o número de casos tem aumentado muito nos últimos dias. Entre a tarde de segunda-feira (8) e a manhã de terça, quando o secretário concedeu a entrevista, 10 novos pacientes foram internados em leitos de UTI.

Até o momento da transmissão, duas grandes unidades de saúde estadual já tinham assumido o status de colapso. O Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, e o Hospital Estadual Santa Casa, em Cuiabá, já não possuem nenhum leito de UTI disponível para atendimento a vítimas de covid-19.

Durante toda a transmissão, Figueiredo pontuou atitudes que poderiam evitar a nova realidade em que Mato Grosso se encontra. Duas delas se destacam: não promover aglomeração de pessoas, com o cumprimento do isolamento social, sempre que possível e proatividade dos prefeitos em contribuir para aumentar o número de leitos de UTI em seus municípios.

Esses dois pontos foram duramente criticados pelo secretário como determinantes para a atual situação.

A briga entre governo do Estado e Prefeitura de Cuiabá também foi alvo das críticas de Gilberto. Isso porque o Município se recusa a fornecer seus leitos para a Central de Regulação Estadual, mesmo tendo um bom número de UTI disponível.

Até a noite de segunda-feira, Mato Grosso tinha 4.243 casos confirmados de covid-19, sendo 1.454 pessoas curadas, 227 pacientes hospitalizados, 2.436 em isolamento social e 126 vítimas fatais.

Em março, o então ministro da Saúde, Henrique Mandetta, explicou a classificação técnica de colapso no sistema de saúde. Ele é definido quando, ainda que haja dinheiro, plano de saúde e ordem judicial, não há vaga disponível para atender ao paciente.

Fonte: Jornal Estadão

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana