Nacional

Líder de Hong Kong diz que crise política está se agravando

Publicado

Carrie Lam, chefe-executiva de Hong Kong arrow-options
Reprodução/Facebook Carrie Lam

Chefe-executiva de Hong Kong, Carrie Lam se pronunciou nesta terça-feira (27)

A escalada de violência nos protestos antigoverno e pró-democracia que tomam conta de Hong Kong há 13 semanas está se tornando mais séria, disse Carrie Lam, chefe do Executivo do território. Ela, no entanto, afirmou que o governo tem confiança em sua capacidade de lidar com a crise. Lam se pronunciou nesta terça-feira (27), em entrevista a repórteres antes de uma reunião de seu Gabinete.

Leia também: Líbano diz que ataques de drones israelenses equivale a “declaração de guerra”

Quando perguntada se pretende declarar estado de emergência para conter os protestos — algo que abriria caminho para que o governo local buscasse ajuda do Exército chinês — a líder de Hong Kong  disse que o governo local irá utilizar todos os meios legais existentes para “colocar um fim na violência e no caos”.

Em uma visita à província de Guangdong, próxima de Hong Kong, o ministro de Segurança Pública chinês, Zhao Kezhi , disse que a China irá “combater e destruir atividades subversivas e terroristas para garantir a segurança e a estabilidade do país”. Desde que os desafios à soberania chinesa aumentaram, no meio de junho, Pequim vem endurecendo sua retórica, sugerindo que poderá mobilizar tropas do Exército Popular da Libertação e realizando exercícios com sua polícia antimotim em Shenzhen, cidade vizinha a Hong Kong.

As declarações de Carrie Lam  e Zhao foram as primeiras desde os atos violentos de domingo, que seguiram alguns dias de manifestações majoritariamente pacíficas. Neste final de semana, a polícia utilizou canhões d’água e armas de fogo pela primeira vez desde que os protestos começaram. Seis policiais sacaram suas armas e um dele chegou a atirar para o alto, para dispersar manifestantes com bastões de aço, coquetéis molotov e tijolos. Oitenta e seis pessoas foram presas — a mais nova delas, com 12 anos.

Os protestos tiveram início no início de junho para impedir um projeto de lei que permitiria a extradição de pessoas para a China continental. Apesar de território chinês, Hong Kong tem autonomia política, judicial e administrativa — um modelo conhecido como “um país, dois sistemas” — em vigor desde a devolução britânica, em 1997. São essas liberdades que os manifestantes julgam estar ameaçadas pelo aumento da influência chinesa na região.

Nas últimas 13 semanas, contudo, os protestos ganharam novas demandas que desafiam os interesses de Pequim, como a anistia para os manifestantes presos, o cancelamento da lei de extradição, uma investigação sobre a violência policial e a eleição direta para a liderança do Executivo, atualmente escolhida por um comitê de cerca de 1.200 pessoas majoritariamente pró-China. Desde que os atos começaram, 883 pessoas foram presas e 136, indiciadas.

Lam, eleita com o apoio do PC chinês, voltou a dizer nesta terça-feira que está buscando construir uma plataforma para diálogos, mas que não “aceitará essas demandas” e que a lei de extradição “foi interrompida há dois meses”. Novos protestos já estão marcados para os próximos dias, inclusive para o dia 1 o de outubro, aniversário de 70 anos da fundação da República Popular da China, quando o Partido Comunista assumiu o controle do país.

Descontente com G7

O governo chinês disse ainda, nesta terça-feira, que Pequim se “opõe completamente” à declaração final do encontro do G7 — texto que substituiu o tradicional comunicado final, inexistente pela falta de consenso sobre temas como o clima. No documento, os líderes defendem a importância do acordo sino-britânico de 1984, que trata da autonomia de Hong Kong após sua devolução à China e da diferença de seus sistemas político, econômico e judiciário em relação a Pequim.

Leia também: Papa Francisco afirmou estar “preocupado” com incêndios na Amazônia

Em uma entrevista coletiva, o porta-voz da Chancelaria chinesa, Geng Shuang, disse que Pequim está “profundamente insatisfeita e se opõe completamente” ao G7 “fazer declarações imprudentes e gesticular” sobre um assunto interno de Hong Kong .

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Jiboia é encontrada por funcionários em prédio da UFRJ; assista

Publicado

Homem recolhendo cobra na UFRJ arrow-options
Reprodução

Animal foi removido na tarde desta segunda (4)

Uma jiboia foi encontrada e retirada de uma das unidades da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) nesta segunda-feira (4), na Ilha do Fundão. Segundo informações divulgadas pela Associação de Docentes da UFRJ, a AdUFRJ, a cobra foi encontrada por volta de 12h por funcionários que faziam a limpeza do bloco A do Centro de Tecnologia (CT).

A Associação informou ainda que a Brigada de Incêndio da Coppe foi acionada para remover o animal com segurança. Mesmo atraindo uma grande quantidade de alunos, professores e funcionários, muitos que frequentam o campus da universidade relatam que não é a primeira vez que um animal aparece por ali. Segundo o aluno Huang Ken Wei, mestrando no Programa de Planejamento Energético da Coppe, outros animais também costumam aparecer no local.

Leia também: Mulher é encontrada morta com cobra no pescoço em ‘casa de répteis’

“Já vi cavalos e muitas aranhas enormes. Ali no subsolo do CT tem muita coisa. É provável que se vasculharem ali, os funcionários vão achar outros animais. Os alunos dizem que tem até jacaré no mangue!”

Já o aluno Matheus Soliz, que cursa Letras na UFRJ, conta que nunca viu algum tipo de animal silvestre no campus, mas que o aparecimento da cobra na universidade deixou um clima de insegurança entre os alunos.

Leia também: Briga entre vespa e cobra-coral por corpo de outra cobra viraliza; assista

“Nunca vi nenhum tipo de animal potencialmente perigoso no campus. Mas a história da jiboia me deixa um pouco inseguro. Se é possível aparecer no CT, o prédio com a melhor infraestrutura da UFRJ e cheio de recursos, pode muito bem aparecer no meu prédio, a Letras, que tem uma infraestrutura que deixa muito a desejar”, lamentou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Polícia prende mais um suspeito de participar do assalto de Viracopos

Publicado

Assalto em Viracopos arrow-options
Redes sociais / Reprodução

Suspeito de participar do assalto foi preso em Caruaru.

A polícia prendeu no domingo mais um suspeito de participar do assalto a um carro forte no aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo. O homem, não-identificado, de 34 anos, foi detido nas proximidades da Feira da Sulanca, em Caruaru (PE). Com ele foram apreendidos cerca de R$ 300 mil em espécie. Segundo a Polícia Federal, o preso também é suspeito de participar de assaltos a bancos e transportadoras de São Paulo.

Leia também: Polícia prende três suspeitos de participar do roubo ao Aeroporto de Viracopos

A PF também prendeu outro homem. A suspeita é de que eles estavam planejando praticar algum roubo no Agreste pernambucano.

O assalto em Viracopos ocorreu no dia 17 de outubro e terminou com três pessoas mortas e quatro baleadas. Pelo menos seis bandidos fortemente armados invadiram o portão E24 do terminal em caminhonetes semelhantes às da Aeronáutica. O bando conseguiu entrar e fugir com dois malotes de dinheiro. Mais de dez membros da quadrilha esperavam do lado de fora.

Após bloqueio de rodovias e troca de tiros com policiais, todo o dinheiro roubado foi recuperado. Um dos criminosos chegou a invadir uma casa no bairro Vida Nova e fazer dois reféns.

Leia também: Criança de 2 anos joga carro dentro de piscina no interior de São Paulo

Mais de 20 malotes com valores em espécie, avaliados em R$ 13 milhões, estavam na mira do bando. Na hora do roubo , eram escoltados pela transportadora de valores Brink’s.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana