Tecnologia

Maioria das empresas não está pronta para a Lei de Proteção de Dados

Publicado

Olhar Digital

proteção de dados arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Maioria das empresas não tem como atender à Lei de Proteção de Dados

A popularização da Internet, o aumento do controle de empresas de tecnologia sobre os dados pessoais e os consequentes escândalos de falta de segurança de privacidade e coleta, uso e compartilhamento inadequado dessas informações obrigaram os governos a criar leis específicas sobre o universo online.

No Brasil, houve a criação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), aprovada em agosto de 2018 pelo então presidente Michel Temer. A lei está prevista para entrar em vigor em agosto de 2020, porém, a maioria das empresas ainda não se considera pronta para atender às novas regras. É o que revelou uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (8) pela Serasa Experian.

Leia também: Apple oferece US$ 1 milhão para quem conseguir hackear iPhone

A LGPD regulamenta como organizações – empresas, bancos, órgãos e companhias públicas, entre outros – deverão coletar e tratar informações pessoais de clientes e usuários, estabelecendo direitos, exigências e procedimentos nessas atividades. Além dela, em julho passado o presidente Jair Bolsonaro (PSL) aprovou a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). O órgão federal deverá, entre outros papeis, garantir que as regras da LGPD sejam cumpridas por instituições públicas e privadas do país.

O espaço de dois anos entre a aprovação e a data em que a lei deve entrar em vigor foi determinado para que as empresas possam adaptar suas estruturas e métodos de trabalho para cumprir com as novas exigências da legislação. Apesar do prazo, 85% das empresas brasileiras afirmam ainda não estar preparadas para garantir os direitos e deveres da LGPD, de acordo com o levantamento da Serasa .

A maioria pretende estar pronta em até um ano, diz o relatório, o que significa que as empresas acreditam que estarão atuando conforme as regras quando a lei começar a valer. A pesquisa foi realizada em março passado e entrevistou executivos de 508 companhias de 18 áreas de atividade, com diferentes portes e segmentos, em todas as regiões do país.

Com a chegada da lei, 72% das companhias com mais de cem funcionários pretendem contratar uma pessoa de mercado especializada, consultoria ou assessoria de modo a facilitar o cumprimento da legislação.

Mesmo com a adaptação, quase 73% das companhias entrevistas pela Serasa esperam que a LGPD cause algum impacto, ou um impacto muito significativo, na atual infraestrutura de tecnologia de informação.

A partir do meio de 2020, qualquer instituição (pública ou privada) que armazenar dados de seus clientes ou usuários, mesmo  informações simples como nome e e-mail, deve seguir os procedimentos previstos na nova lei. Aqueles que desrespeitarem as exigências estarão sujeitas a uma multa de até R$ 50 milhões.

Na Europa há uma legislação semelhante, chamada Regulamento Geral de Proteção de Dados na União Europeia, ou GDPR, na sigla em inglês. A lei entrou em vigor em todo o bloco europeu em maio de 2018, também depois de dois anos da sua criação, em abril 2016, prazo dado para adaptação das instituições (públicas e privadas) no continente.

Leia também: Golpe do FGTS no Whatsapp e e-mail promete saque imediato e rouba dados

Da mesma forma, trata-se de uma série de novas exigências que visam proteger a privacidade de dados dos cidadãos europeus. A lei define como empresas que atuam no continente e órgãos públicos nos países europeus devem coletar, armazenar, usar e compartilhar dados pessoais da população. 

Fonte: Agência Brasil

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

TikTok lança seu primeiro celular; confira as especificações

Publicado

Olhar Digital

celular tiktok arrow-options
Divulgação

TikTok entra de vez para o mercado de smartphones


O TikTok , da ByteDance, é um aplicativo que permite gravar e publicar vídeo curtos, de até 60 segundos. Ele virou febre pois permite dublar músicas conhecidas e fazer coreografias de dança. Após ter anunciado que entraria para a indústria dos smartphones , a empresa lançou seu primeiro celular

Apesar de não ter nenhuma versão anterior, o aparelhor se chama  Smartisan Jianguo Pro 3 , e conta com boas especificações. Ele possui o chipset mais poderoso da Qualcomm , o Snapdragon 855 Plus, juntamente com 12 GB de memória RAM e 256 GB de armazenamento interno. O smartphone também estará disponível na versão de 8 GB de RAM e 128 GB de armazenamento, que custará um pouco menos que a versão original.

Leia também: Conheça o TikTok, aplicativo que bateu o WhatsApp em número de downloads

Com uma tela de FHD+ AMOLED de 6,39 polegadas com resolução de 1080 X 2340 pixels, o Smartisan Jianguo Pro 3 possui uma configuração de câmera quádrupla na traseria e um sensor de imagem na parde da frente, para selfies. Na parte traseira, ele também conta com um sensor Sony IMX586 de 48 MP primário, lente grande angular secundária de 13 MP, lente telefoto de 8 MP e lente macro de 5 MP. Os amantes das selfies ficarão felizes em saber que o aparelho da TikTok possui uma câmera frontal de 20 MP. 

É de se imaginar que a duração do celular seja ótima, já que é alimentada por uma bateria de 4000 mAh, com suporte para carregamento rápido de 18 W. O modelo tradicional do aparelho, com 8 GB de RAM e 128 GB de armazenamento interno, vai custar U$ 410, aproximadamente R$ 1,600.

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Facebook cria nova logo para unificar os produtos da empresa

Publicado

facebook arrow-options
Divulgação/Facebook

Nova logo do Facebook abandona a cor azul e tem letras maiúsculas

O Facebook anunciou nesta segunda-feira (04), uma nova logo para a marca . A nova identidade visual da empresa traz letras maiúsculas e não tem uma cor fixa, abandonando o azul utilizado pelo aplicativo do Facebook

Leia também: Facebook é condenado a pagar multa por escândalo da Cambridge Analytica

Segundo a empresa, o principal objetivo é justamente se distanciar um pouco da rede social em si. “O Facebook começou como um único aplicativo. Agora, 15 anos depois, oferecemos um conjunto de produtos. Este é o próximo passo em nosso esforço para esclarecer os produtos e serviços do Facebook. A nova marca da empresa foi projetada para nos ajudar a representar melhor a diversidade de produtos que construímos, estabelecer distinção do aplicativo do Facebook e comunicar nosso objetivo no mundo”, explicou o anúncio publicado pelo Facebook. 

facebook arrow-options
Divulgação/Facebook

O Facebook quer distanciar a identidade visual da companhia daquela estabelecida pelo aplicativo


Feito pelo Facebook

Agora, a nova logo do Facebook estará presente em todos os produtos da marca, o que inclui o aplicativo do Facebook, o WhatsApp e o Instagram , além de alguns hardware , como os óculos de realidade virtual da empresa. 

Segundo a empresa, o processo de desenvolvimento da nova identidade visual foi feito justamente pensando nisso, e designers de diversos times da empresa foram consultados para garantir que a nova logomarca pudesse ser utilizada em todos os produtos do Facebook. 

Leia também: Facebook cria seção de notícias e pagará para veículos divulgarem conteúdo

É por isso também que o novo desenho que representa a empresa não tem cor fixa, já que ele irá se adaptar de acordo com o produto . No WhatsApp, por exemplo, é esperado que ele assuma a cor verde, enquanto no Instagram a logo deve ser colorida. “Em vez de a empresa possuir uma única cor, projetamos a marca para responder ao seu contexto e ambiente. Esse sistema permite que o wordmark assuma a cor de nossas marcas individuais, criando um relacionamento mais claro entre a empresa e os produtos que construímos”, explica o Facebook. 

Além do novo desenho de letras, o Facebook assumiu também a sigla FB , que será utilizada em espaços menores. Segundo a empresa, “o FB já está associado ao Facebook, é o símbolo de cotações da empresa e é usado em domínios e endereços de email de funcionários”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana