Mato Grosso

Mato Grosso teve média de uma pessoa infectada a cada 20 minutos em 24h

Publicado

Dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), divulgados na tarde da última quarta-feira (13), mostram que, nas últimas 24 horas, Mato Grosso teve média de uma pessoa infectada a cada 21 minutos. De terça-feira (12) para ontem, foram mais 69 pessoas testaram positivo para o novo coronavírus. Em quatro dias, o aumento foi de aproximadamente 30%.

Levantamento feito pelo Olhar Direto, com base nos dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES), mostra que – em média – a cada 20 minutos uma pessoa acabou infectada pelo coronavírus nas últimas 24 horas.

No total, foram 69 novos casos, sendo eles de: Cuiabá (17), Rondonópolis (3), Várzea Grande (11), Barra do Garças (10), Sinop (1), Primavera do Leste (2), Tangará da Serra (4), Cáceres (3), Rosário Oeste (5), Jaciara (1), Confresa (2), Jangada (2), Chapada dos Guimarães (2), Curvelândia (1), Água Boa (1), Campo Novo do Parecis (1), Nobres (1), São Félix do Araguaia (1) e de residentes de outros Estados (1).

Se comparados os últimos quatro dias (domingo a quarta-feira), o aumento no número de casos confirmados é de 29,6%. Na primeira data citada (10/05), o Estado tinha 519 pessoas que testaram positivo, no dia seguinte passou para 545, depois para 604 e fechou ontem com 673.

Além das confirmações, um caso que foi registrado em Cuiabá na terça-feira (12) foi reposicionado para Várzea Grande, município de residência do paciente.

Dos 673 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 307 estão em isolamento domiciliar e 286 estão recuperados. Há ainda 59 pacientes hospitalizados, sendo 33 em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 26 em enfermaria. Com as atuais internações em leitos SUS, a configuração dos leitos disponíveis fica em 213 leitos de UTI e 639 de enfermaria.

O documento ainda aponta que um total de 3.101 amostras já foram processadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 127 amostras em análise laboratorial.

 

Fonte: Olhar Direto

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Pedro Satélite assume cargo na Assembléia Legislativa após deputado se licenciar

Publicado

O ex-deputado Pedro Satélite (PSD), que tem base eleitoral na região de Guarantã do Norte, volta à Assembleia Legislativa de Mato Grosso nesta semana. Ele assume o lugar do deputado Sebastião Rezende (PSC), que se licenciou “por motivos particulares” pelo prazo máximo de quatro meses. A expectativa é de que Satélite, que não conseguiu a reeleição em 2018, participe das sessões on line já nesta quarta-feira (17).

A licença do pastor Sebastião Rezende foi comunicada na sexta-feira (12), junto com o comunicado de substituição por Pedro Satélite, que não é o primeiro suplente da chapa. Por direito, a vaga seria do sinopense Silvano Amaral (MDB), que não vai sair da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SEAF) para voltar, provisoriamente, ao parlamento.

O segundo suplente, Toninho de Souza (PSD), que é vereador em Cuiabá e que já ocupou uma cadeira na Assembleia ano passado também abriu mão para atender ao “rodízio” da coligação e dar o acesso a Pedro Satélite.

O político do Nortão é experiente no parlamento. Se elegeu pela primeira vez em 1994, reelegendo-se duas vezes seguidas em 1998 e 2002. Nas eleições de 2006 e 2010 ficou na suplência, assumindo definitivamente em 2013. No ano seguinte, em 2014, reelegeu-se e em 2018, com 13.860 votos não conquistou a vaga.

Só Notícias/Marco Stamm 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Saúde de Mato Grosso entrará em colapso nos próximos dias

Publicado

O secretário de Estado de Saúde (SES), Gilberto Figueiredo, alertou que Mato Grosso já pode se considerar em estado de colapso da saúde pública. Os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) devem ter ocupação total já nos próximos dias e não há nada que possa ser feito com efeitos imediatos. A consequência dessa situação será um número inevitável de mortes por pacientes que serão tratados em leitos de enfermaria, mesmo necessitando de UTI. As afirmações foram feitas durante entrevista coletiva de imprensa nesta terça-feira (9), transmitida por meio das redes sociais.

“Marcar o dia exato [para o colapso] é complicado. Marcar o dia vai colapsar? Por que nós não podemos admitir que já colapsou? Porque, se nós já sabemos que vamos receber uma demanda de número de pacientes que não vai encontrar leitos de UTI nos próximos dias ou nas próximas horas, qual é o momento exato de dizer que [o sistema] colapsou? Se não tem leito à disposição, se não tem profissional à disposição, o que mais falta para decretar o colapso? Então, não nos enganemos, já colapsou!”, exclamou.

Gilberto explicou que a situação no estado já não está mais sob controle e o número de casos tem aumentado muito nos últimos dias. Entre a tarde de segunda-feira (8) e a manhã de terça, quando o secretário concedeu a entrevista, 10 novos pacientes foram internados em leitos de UTI.

Até o momento da transmissão, duas grandes unidades de saúde estadual já tinham assumido o status de colapso. O Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, e o Hospital Estadual Santa Casa, em Cuiabá, já não possuem nenhum leito de UTI disponível para atendimento a vítimas de covid-19.

Durante toda a transmissão, Figueiredo pontuou atitudes que poderiam evitar a nova realidade em que Mato Grosso se encontra. Duas delas se destacam: não promover aglomeração de pessoas, com o cumprimento do isolamento social, sempre que possível e proatividade dos prefeitos em contribuir para aumentar o número de leitos de UTI em seus municípios.

Esses dois pontos foram duramente criticados pelo secretário como determinantes para a atual situação.

A briga entre governo do Estado e Prefeitura de Cuiabá também foi alvo das críticas de Gilberto. Isso porque o Município se recusa a fornecer seus leitos para a Central de Regulação Estadual, mesmo tendo um bom número de UTI disponível.

Até a noite de segunda-feira, Mato Grosso tinha 4.243 casos confirmados de covid-19, sendo 1.454 pessoas curadas, 227 pacientes hospitalizados, 2.436 em isolamento social e 126 vítimas fatais.

Em março, o então ministro da Saúde, Henrique Mandetta, explicou a classificação técnica de colapso no sistema de saúde. Ele é definido quando, ainda que haja dinheiro, plano de saúde e ordem judicial, não há vaga disponível para atender ao paciente.

Fonte: Jornal Estadão

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana