Mulher

Não são apenas dietas e exercícios! 4 dicas para emagrecer sem se torturar

Publicado

Seguir uma dieta à risca até o final ou não pular nenhum dos exercícios recomendados é mais difícil do que parece. Geralmente, os obstáculos desanimam a jornada rumo ao peso ideal. O sonho de muitas pessoas é perder peso sem sufoco  e isso é possível! Selecionamos algumas dicas que vão te ajudar a chegar lá.

dicas para emagrecer arrow-options
shutterstock

Além de reeducar a alimentação e fazer exercícios, quem quer emagrecer precisa equilibrar o corpo com a mente

Gladia Bernardi, autora do livro “Código Secreto do Emagrecimento” e especialista em obesidade alerta que uma das maiores barreiras para quem está acima do peso e decide eliminar alguns quilos é combater a compulsão alimentar. Uma das dicas para emagrecer e evitar esse tipo de problema é “reprogramar a mente”.

“Podemos, sim, ingerir doces, pizza e os deliciosos hambúrgueres, mas devemos saber comer devagar e a hora de parar, tudo de uma forma equilibrada”, explica Gladia Bernardi. “É preciso foco, persistência e não deixar que as coisas externas atrapalhem o processo”, destaca.

Leia também: “Achamos que falar ‘gordinha’ reduz o problema”, diz mulher após emagrecer 60 kg

Para ajudar nessa jornada, a especialista apresenta quatro dicas para emagrecer sem se torturar ou restringir demais a alimentação. Veja:

1. Tenha um cardápio equilibrado

Gladia enfatiza que não há uma dieta milagrosa ou radical demais que seja muito eficaz para isso. Segundo ela, é necessário comer de tudo, desde frutas e legumes até algumas porções de carboidratos, para realizar a reeducação alimentar aos poucos.

“A nossa mente também precisa entender esse novo processo. Quando isso acontece, paramos de comer por gula e ingerimos alimentos apenas por necessidade, evitando sintomas de cansaço, por exemplo”, afirma.

2. Pratique exercícios físicos

Não é novidade que as atividades físicas são muito aliadas do emagrecimento, portanto, realizar exercícios é fundamental para manter o bem-estar e proporcionar energia.

“Quando nos exercitamos, liberamos hormônios que nos proporcionam diversos benefícios como aperfeiçoamento da memória, fortalecimento do músculo, combate à depressão e ansiedade, entre outros diversos. Além de tudo isso, a sensação de cansaço também é anulada”, explica a especialista.

3. Tenha uma boa rotina de sono

Dormir bem está diretamente relacionado ao bom emagrecimento, uma vez que o sono e o cansaço podem gerar ansiedade e estresse, fatores que contribuem para que as pessoas descontem a angústia na comida.

“O estresse pode ser um gatilho para comermos, trazendo frases como: ‘Hoje estou estressado, mereço um brigadeiro’. Assim, a dieta corre um grande risco de ser interrompida”, adverte a especialista.

Leia também: 9 exercícios de musculação bem tradicionais, mas que são pura perda de tempo

4. Faça atividades que proporcionam prazer

A última das dicas para emagrecer de Gladia Bernardi é entender que perder peso vai além de “fechar a boca”. Para os resultados aparecerem e se manterem, é preciso equilibrar a mente com o corpo, e não ter uma rotina estressante.

“Use os momentos como o trânsito para assistir uma série, ler um livro, ou fazer algo que lhe proporcione prazer. Quando seguimos esse passo a passo, vamos ter uma sensação de bem-estar, deixando o cansaço de lado e emagrecendo definitivamente”, conclui ela.

Comentários Facebook
publicidade

Mulher

Mãe solo que sofreu isolamento social após gravidez cria “tinder das mães”

Publicado

source

O sentimento de solidão e a falta  de companhia após as duas gravidezes que viveu foi o que motivou a britânica Rebecca McGoff, de 37 anos, a criar o Buump Active, um aplicativo de relacionamentos que conecta mães que moram perto e incentiva a prática de exercícios em conjunto.

Leia mais: 10 jeitos de usar bermuda ciclista fora da academia e sugestões de até R$49

mulher e filhas arrow-options
Reproduçao/DailyMail

Mãe de duas meninas (8 e 12 anos), Rebecca diz que se sentiu solitária após o parto

O suporte para desenvolver o aplicativo veio do departamento de Esportes, Mídia e Cultura do Reino Unido, que em 2017 ofereceu financiamento para ideias que ajudassem pessoas a entrar em forma e mudar de vida. A ideia de Rebecca, que contou sua experiência como mãe , foi escolhida pela instituição e recebeu um aporte de 346 euros, o equivalente a cerca de R$1.600.

Em outubro do ano passado, nasceu o Buump Active, a primeira rede social do tipo, dedicada a manter as novas mamães ativas após o nascimento do bebê. Ao portal DailyMail, Rebecca disse que se sente “grata ao ajudar outras mães na busca pela sua melhor versão”. 

“Eu passava dias trancada em casa e saía apenas para pequenas caminhadas com o carrinho de bebê das minhas filhas , que hoje estão com 12 e 8 anos”, recorda ela. “As pessoas não falam sobre isso. Existe uma grande culpa em assumir que os primeiros dias de uma mãe são difíceis”, explica. 

Leia mais: 16 dicas certeiras para perder peso aos 40, segundo especialistas

Assim como em aplicativos de namoro, o Buump permite a criação de um perfil e um “passeio” pelas informações de outras mães, ajustadas de acordo com a distância em que vivem. Após o primeiro contato, é possível marcar um encontro em um parque, aula de ioga ou outro local que as envolvidas julguem apropriado.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

“Amor de Mãe” aborda “barriga de aluguel”: como funciona e quem pode fazer?

Publicado

source

Popularmente conhecida como “barriga de aluguel”, a gestação por substituição ganhou evidência na novela “Amor de Mãe”, da TV Globo, na última semana. Na trama escrita por Manuela Dias, a personagem Thelma (Adriana Esteves) se oferece para gerar o neto após Camila (Jéssica Ellen) ter sofrido um aborto espontâneo do filho que esperava de Danilo (Chay Suede).
Leia também: Mulher descobre gravidez 30 minutos antes do parto acontecer

thelma arrow-options
Reprodução/ Globo

Na novela Amor de Mãe, da TV Globo, Thelma será barriga de aluguel para Danilo e Camila e gerará o neto

Esse procedimento vem sendo adotado por casais que não podem engravidar ou possuem problemas de fertilidade e saúde. De acordo com a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), utilizar o termo ” barriga de aluguel ” é errado, é mais indicado “doação temporária do útero” ou “gestão por substituição”.
“A palavra ‘aluguel’ gera uma conotação monetária e, de acordo com a resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), que regula esse método, não é permitido que a doação temporária tenha caráter lucrativo ou comercial”, ressalta Adelino Amaral Silva, médico especialista da SBRA.
A resolução do CFM nº 2168, de 21 de setembro de 2017, afirma que as doadoras temporárias de útero devem pertencer à família de um dos parceiros, com parentesco de até quarto grau. Ou seja, mães, irmãs, tias, sobrinhas, primas e avós podem contribuir para a realização do sonho dos casais, assim como Thelma. Demais casos, a exemplo de casais que não possuem membros da família em condições de engravidar, ainda podem requerer uma autorização ao CFM para uma terceira pessoa possa emprestar o útero.
Em muitos casos, as mulheres que procuram esse procedimento nasceram sem útero ou tiveram que tirar o órgão cirurgicamente devido a doenças, sofreram problema médico que impeça ou contraindique a gestação ou são casais em união homoafetiva. 

Como funciona o procedimento de gestão por substituição?

grávida arrow-options
Unsplash

Parentes próximos são autorizados a serem “barriga de aluguel” de casal

O procedimento para uma gestão por substituição , no caso dos casais heterossexuais, o primeiro passo é a estimulação medicamentosa dos ovários da mãe biológica e o preparo do útero a ser doado temporariamente para que esteja receptivo aos embriões para a gestação.
“No dia em que se faz a retirada dos óvulos, o homem fornece os espermatozoides que serão utilizados para fazer a fecundação. Os embriões formados serão transferidos para o útero da mulher que está cedendo por meio do procedimento de fertilização in vitro”, explica o Adelino.
Em casais homossexuais o método é diferente para cada caso, mas ambos precisam de doadores anônimos de material genético, além do útero temporário. “No caso de um casal de homens, é necessário usar os óvulos de uma doadora anônima e os espermatozoides de um dos dois. Os embriões resultantes serão transferidos para o útero. No caso das mulheres, normalmente é realizada a gestação compartilhada, onde uma fornece os óvulos e a outra, o útero. Os espermatozoides partem de um doador anônimo”, conclui o médico.
Leia também: Saiba quais são os impactos, sintomas e tratamentos da depressão na gravidez
É importante ressaltar que, por não haver legislação no Brasil que trate sobre a gestação por substituição ( barriga de aluguel ), os tribunais baseiam-se atualmente na Resolução Ética do Conselho Federal de Medicina, que indica punição caso os médicos não sigam as instruções previstas.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana