Cinco são condenados em MT por tentar roubar avião em ação que terminou na morte de PF

Cinco são condenados em MT por tentar roubar avião em ação que terminou na morte de PF

Cinco pessoas acusadas de tentar roubar um avião Cessna, em um aeródromo, em 2015 em Sinop, a 503 km de Cuiabá, foram condenadas nesta quinta-feira (4) pelo juiz federal Murilo Mendes, da 1ª Vara de Sinop. A ação criminosa resultou na morte do agente federal Mário de Almeida Mattos, de 33 anos. A quadrilha foi condenada por tentativa de roubo e formação de quadrilha. Na decisão, o juiz citou que laudos da época não foram conclusivos a respeito da autoria dos disparos que mataram o policial. Dessa forma, a quadrilha não vai responder, neste momento, pelo assassinato.


Quadrilha já tinha roubado um avião Cessna do aeroclube em Sinop (Foto: Arquivo Pessoal)

Foram condenados os seguintes réus: Harysohn Pedrosa Pina, de 45 anos (2 anos e 1 mês de prisão), José Carlos da Rosa Silva, de 43 anos (10 anos e 9 meses e 24 dias de prisão), Revelino Leismann, de 44 anos (8 anos e 10 meses de prisão), Genivaldo Ferreira dos Santos, de 55 anos (11 anos e 9 meses e 9 dias de prisão) e Bruno de Lima, de 21 anos (7 anos e 10 meses e 12 dias de prisão).

“Os peritos que assinaram o laudo […] afirmaram que não foi possível estabelecer a autoria dos disparos e o sentido que teria partido o projétil. Todavia, concluiu que o fragmento que atingiu o policial federal era compatível com armas de fogo de longo cano, ou seja, o disparo partiu de um fuzil”, pontuou o juiz na decisão.

As informações e depoimentos obtidos pelo Ministério Público Federal (MPF) indicaram que os criminosos usavam revólver calibre 38 e uma arma calibre 12. Uma testemunha teria relatado ter visto um fuzil na mão de um dos criminosos. “Ocorre que os únicos fuzis de que se tem notícia pertenciam aos policiais federias, os quais utilizaram esse armamento no momento de contenção da prática criminosa”, salientou o magistrado.

O juiz concedeu liberdade a Harysohn Pedrosa Pina, pois foi absolvido pelo crime de tentativa de roubo. Os integrantes da quadrilha já estavam presos desde a ocasião do crime na Penitenciária Osvaldo Florentino Leite (Ferrugem), em Sinop.

A Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) confirmou que a quadrilha continua presa na Penitenciária Ferrugem por questões de segurança, já que são considerados presos de alta periculosidade.


Morte


Cinco integrantes da quadrilha que se envolveu no tiroteio com os policiais federais, dentro de aeródromo na zona rural do município, foram presos pela polícia dois dias depois do assassinato do agente. Um dos disparos acertou o tórax de Mário de Almeida Mattos, durante a operação. No dia 21 de maio, um homem de 40 anos, tido como 6º integrante do grupo de assaltantes foi morto em confronto com policiais.

De acordo com a Polícia Federal, o suspeito era tido como o líder da quadrilha e ao ser abordado, reagiu e foi baleado. Ele estava com a prisão decretada pela Justiça Federal desde o dia da tentativa de roubo ao avião.

A PF de Sinop chegou a oferecer recompensa de R$ 2 mil por qualquer informação que levasse aos assaltantes. Por volta da 0h30 do dia 16, os policiais viram um veículo suspeito e uma "movimentação estranha" em um dos aeroclubes e, durante a abordagem, o policial foi atingido. Mário Mattos foi levado ao Hospital Regional da cidade, mas morreu cerca de uma hora depois de ter dado entrada na unidade hospitalar.

O policial federal deixou uma esposa com quem tinha comemorado dois anos de casado na semana em que foi assassinado. O corpo Mário foi enterrado no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília, onde vivem familiares e amigos.


Fonte: G1