Guarantã: O verdadeiro retrato da POLITEC de Guarantã do Norte

Guarantã: O verdadeiro retrato da POLITEC de Guarantã do Norte

A Gerencia Regional da POLITEC de Guarantã do Norte distante 728 Quilômetros da Capital do estado fica localizado na Rua das magnólias em um prédio cedido pela Prefeitura do Município. Funcionam a Gerencia de Identificação Técnica, Gerencia de Criminalística e Medicina Legal.

A Regional abrange o atendimento de sete (07) Municípios no entorno, com o intuito de reforçar a atuação da perícia criminal na região norte do estado de Mato Grosso, uma teoria bem distante das condições colocadas em pratica, atendimento precário em todos os setores, dificultado pela falta de equipamentos, condições precária de trabalho, falta de local adequado para certos procedimentos e principalmente efetivo reduzido de peritos e outros profissionais como estaremos detalhando nesta reportagem.

 GERENCIA DE IDENTIFICAÇÃO TECNICA: Local onde são realizados as confecções de RG, identificação em corpos, identificação criminal, falsidade ideológica, necropapiloscopia, coletas de impressões em locais de crimes e outros. Este setor com tantas atividades conta apenas com um funcionário cedido pela prefeitura do município que teria função somente na confecção de RG, porem o mesmo acaba desenvolvendo outras atividades como identificação criminal (presos), os exames de necropapiloscopia (exame em estado de decomposição) não são realizados por falta de profissionais capacitados e local adequado, quando necessário o corpo e encaminhado para Cuiabá, falta também veículos para transporte de presos colocando em risco a segurança dos mesmos como também dos profissionais que estão trabalhando.

GERENCIA REGIONAL DE CRIMINALISTICA: Onde são realizados os exames de balísticas, drogas, biologia forense, DNA, engenharia forense, acidentes de trânsito e aéreo, computação forense, crimes contra vida e pessoas, falsificação em documentos, combate a corrupção entre outros. Todos esses e mais exames são de competência da GERENCIA REGIONAL DE CRIMINALISTICA da POLITEC, porem, em Guarantã do Norte quase nada destes procedimentos citados são realizados pela deficiência de estrutura física e falta de profissionais, muitas vezes a polícia tem que esperar para cumprir sua parte, a vinda de um perito da cidade de Sinop porque a POLITEC de Guarantã do Norte não tem efetivo suficiente para a demanda, exemplos bem claro já foram registrados demonstrando a maior falta de respeito com o ser humano que acabara de perder um ente querido. Como por exemplo o fato registrado na BR 163, perímetro urbano de Guarantã do Norte, no dia 11 de abril de 2015, o acidente automobilístico com vítima fatal Airton Cesar do Prado, 37 anos, acontecido aproximadamente às 20:30 horas, e o corpo só foi retirado no outro dia por volta das 09:00 horas com a chegada dos peritos, o corpo e familiares permaneceram no local debaixo de muita chuva por mais de 12 horas este é apenas um de tantos casos que já aconteceram na região. No dia 27 de junho foi registrado um furto na Cooperativa Sicredi de Novo Mundo teve que aguardar mais de cinco horas a vinda de peritos da cidade de Sinop. Este setor conta hoje com apenas quatro peritos estando dois de licença médica e dois em atividade, o ideal seria oito peritos para atender os municípios em demanda, o trabalho é desenvolvido em regime de plantão, esta e uma área de maior importância para o inquérito criminal, sem as provas técnicas podem dificultar ou comprometer a responsabilização do autor do fato delituoso.


GERENCIA REGIONAL DE MEDICINA LEGAL: A gerencia atua em realizar necropsias, realização de corpos de delitos tanto em presos como em vítimas, inclusive vítimas de estupros. Atendimentos não estão sendo plenamente realizados, pois a unidade tem falta de médico legista, a unidade de Guarantã atende sete municípios e conta apenas com um médico legista o ideal seria no mínimo cinco profissionais, a medicina legal da Politec de Guarantã tem apenas um técnico de necropsia, que seria o necessário cinco para atendimento de acordo com escala de plantão, considerando férias, licenças prêmios e atestados médicos, além dos recursos humanos a dificuldade de infra estrutura, a unidade não tem mesa de necropsia, instrumental adequado e muito menos uma sala de necropsia, não possui o rabecão (carro de transportar cadáveres) tendo sempre que recorrer as funerárias.

Os servidores trabalham muito mais do que a lei exige, fazendo necropsias em condições erradas, ou seja na funerária.

A funerária, que é uma empresa privada, presta ainda serviço de traslado de cadáveres e doa suas instalações para a realização de necropsias, fazendo serviço do Estado de Mato Grosso e da POLITEC.

A Policia judiciaria Civil de Guarantã do Norte e região que dependem dos trabalhos da politec em quase todos os procedimentos, sabe das dificuldades que tem enfrentado, como nos afirmou o delegado de polícia de Guarantã Dr. Hércules Gonçalves.


O ministério público informou que já existe o inquérito civil público onde já são investigadas as partes de estrutura e humana da politec, onde existe a possibilidade do MP arrumar uma solução administrativa e que venha melhorar a estrutura da mesma. Nessa etapa de investigação o MP tem consciência que a melhor solução é negociar, tentando resolver a questão atrávez do diálogo, antes de uma ação judicial. 


Fonte: Gilmar Avila