Polícia MT

Núcleo de Desaparecidos localiza 816 pessoas em 2019

Publicado

Assessoria | PJC-MT

O esclarecimento de ocorrências de desaparecimento na região metropolitana chegou a 93% em 2019, em trabalhos investigativos realizados pelo Núcleo de Pessoas Desaparecidas, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). Durante o ano, foram 876 casos de desaparecimentos registrados na unidade, sendo 816 pessoas localizadas.

O Núcleo de Desaparecidos recebe em média 70 a 75 ocorrências por mês e a maior parte dos casos está relacionadaao desaparecimento de adultos, com idades entre 18 a 64 anos, totalizando 537 registros, sendo 399 de homens e 138 de mulheres.

O desaparecimento de adolescentes, entre 13 e 17 anos de idade, vem em segundo lugar, contabilizando 243 casos registrados. A unidade também atuou em casos de desaparecimentos de crianças (0 a 12 anos), sendo 65 ocorrências registradas e de idosos (mais de 65 anos), com 24 ocorrências.

Grande parte dos casos foi registrada em Cuiabá e Várzea Grande, totalizando 827 ocorrências, mas também houve registros referentes a pessoas que sumiram no interior e  em outros estados, as quais tiveram providências tomadas pelo Núcleo.

Motivação

Das 816 pessoas localizadas, 792 foram encontradas com vida, totalizando 97% das ocorrências. Nas 24 ocorrências em que as pessoas foram localizadas sem vida, o desaparecido foi vítima de acidente de trânsito, afogamento, homicídio, encontro de cadáver ou ossada (casos mais antigos que estavam em andamento na unidade), morte natural ou suicídio.

Um dos casos mais emblemáticos de 2019 foi a localização das ossadas de duas mulheres que estavam desaparecidas desde 2013. As ossadas foram encontradas enterradas na calçada externa da casa do suspeito, no bairro Nova Conquista, em Cuiabá.

Leia mais:  Policiais civis levam orientações sobre violência escolar e familiar a estudantes

Exames de DNA confirmaram que as vítimas são Talissa de Oliveira Ormond, 22 anos, que desapareceu em julho de 2013, e Benildes Batista de Almeida, 39 anos, que sumiu em dezembro do mesmo ano. A primeira era namorada do suspeito e a segunda sua ex-mulher, que morava fora do Brasil.

Ambos os casos eram investigados pelo Núcleo de Pessoas Desaparecidas, que mesmo diante do espaço temporal dos desaparecimentos, os policiais persistiram em esclarecer o que havia acontecido com as vítimas, em resposta aos seus familiares.

Nos casos em que a vítima desaparece por conta própria, a principal motivação é o afastamento do convívio familiar por brigas ou insatisfação, representando 53% das ocorrências registradas na delegacia, seguido por causas enigmáticas ou diversas (41%), cooptação para práticas criminosas, evasão de custódia legal, sequestro, subtração por familiares ou vítimas de calamidades, e acidentes.

No mês de agosto, a equipe do Núcleo de Desaparecidos não mediu esforços para localizar três irmãos, uma adolescente de 13 anos e dois meninos com idades de 9 e 10 anos, que deixaram o convívio familiar. Após três dias desaparecidos, os menores foram encontrados quando pegavam um ônibus, em frente a um supermercado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (Avenida do CPA), na Capital. Durante o período em que ficaram desaparecidas, as crianças contaram que dormiram no Parque das Águas e que pediam dinheiro para pessoas na região para sobreviver.

Leia mais:  Quatro caminhões carregados com milho sem nota fiscal são apreendidos pela PRF

O delegado titular da DHPP, André Renato Gonçalves, disse que o Núcleo de Pessoas Desaparecidas mesmo com grande demanda e pequeno efetivo, contando atualmente com dois investigadores de polícia, uma escrivã, duas estagiárias e um delegado, vem desenvolvendo um excelente trabalho na localização de pessoas.

“É um trabalho muito importante que exige empenho e dedicação dos policiais para esclarecimento dos caso e não tenho dúvida de que presta um serviço de excelência à sociedade através da DHPP”, disse o delegado.

Denúncias e preservação das vítimas

O Núcleo de Pessoas Desaparecidas da DHPP é um dos setores que mais conta com a ajuda da população, que contribui com informações para o esclarecimento dos casos de desaparecimentos.

É natural que a comunidade que ajuda solucionar uma investigação em andamento queira saber da localização do desaparecido, o que é informado através de redes sociais, mas também outras informações como onde e em que condições a pessoa foi encontrada, são situações não divulgadas pela Polícia Civil.

A preservação da vítima depois de localizada ocorre porque a princípio, quando a pessoa desapareceu, as razões eram desconhecidas, mas as circunstâncias que ocorreram durante ou depois podem estar vinculadas a algum tipo de crime ou situação que envolva a intimidade da vítima.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
publicidade

Polícia MT

Projetos sociais da PJC atendem mais de 25,3 mil pessoas durante o ano

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Com ações de educação preventiva, a Coordenadoria de Polícia Comunitária, através dos Projetos Sociais da Polícia Judiciária Civil, De Bem Coma Vida, De Cara Limpa contra as Drogas e Rede Digital pela Paz, atendeu mais de 25,3 mil pessoas, entre crianças, adolescentes, jovens e adultos, ao longo de 2019.

Os trabalhos tiveram como foco principal estudantes do ensino fundamental e médio, totalizando 21.722 crianças e adolescentes atendidos em todo estado de Mato Grosso. Os projetos também realizaram ações para jovens e adultos que resultaram em mais 3.169 pessoas atendidas.

Realizadas de forma continuada em escolas e empresas, as atividades buscam entre outras questões, desestimular o uso inicial de drogas por crianças e adolescentes, reduzir situações de riscos aos danos relacionados ao uso indevido de entorpecentes.

Outra tema trabalhado, principalmente com crianças e adolescentes em idade escolar é o “bullying”, termo em inglês que pode significar desde uma intimidação verbal até uma agressão física. Buscando uma conversa leve, porém responsável, os palestrantes expões 8 conceitos diferentes que caracterizam o comportamento, que na maioria dos casos nasce dentro da escola.

Além do trabalho desenvolvido com estudantes, há também ações interdisciplinares e contínuas, de caráter preventivo e educativo na que são planejadas para o trabalhador e familiares, oportunizando a prevenção do uso indevido de drogas no ambiente de trabalho em todos os turnos, visando à melhoria da qualidade de vida.

Para realização dos atendimentos da maneira mais eficaz, os projetos sociais atuam em agenda integrada e as ações preventivas pautadas em princípios éticos e na pluralidade cultural, orientadas para a promoção de valores voltados à saúde física e mental, individual e coletiva, ao bem-estar, à integração socioeconômica e a valorização das relações familiares, considerando seus diferentes modelos.

Leia mais:  Operação Férias reduz acidentes no Norte de Mato Grosso

As ações são planejadas e direcionadas ao desenvolvimento humano, com incentivo à educação para a vida saudável, acesso aos bens culturais, incluindo a prática de esportes (Corrida De Cara Limpa Contra as Drogas), cultura, lazer, a socialização do conhecimento sobre drogas com embasamento científico, o fomento ao protagonismo juvenil, à participação da família, da escola e da sociedade na multiplicação dessas ações.

O coordenador da Polícia Comunitária, Ademar Torres de Almeida, a prevenção constitui um grande desafio para a implementação de uma política de atenção aos problemas com drogas em nosso Estado e exige – tanto da sociedade quanto do poder público – ações conjuntas e eficazes a partir de políticas intersetoriais nas diversas áreas: jurídica, educação, segurança, saúde e assistência social na busca de soluções para minimizar os prejuízos decorrentes do uso de entorpecentes.

Ademar também acredita que o trabalho interdisciplinar e multiprofissional, com a participação de diferentes atores sociais envolvidos no processo, possibilita a formação de multiplicadores. “O objetivo é ampliar, articular e fortalecer as redes sociais, visando ao desenvolvimento integrado de programas de promoção geral à saúde e de prevenção”, explica.

As principais ações preventivas buscaram compartilhar informações, esclarecer, conscientizar, estimular o diálogo e abrir espaço para tirar o assunto da invisibilidade e, assim, mudar essa realidade.

Leia mais:  Autor de latrocínio de advogado no Piauí é preso pela Polícia Civil em Cuiabá

No interior do estado, as ações são desenvolvidas pelos policiais civis que ficam responsáveis pelo desenvolvimento dos projetos em suas cidades. Em Sapezal (480 km a Noroeste de Cuiabá), somente no mês de fevereiro de 2019, mais de 2 mil jovens participaram de palestras orientativas e preventivas ministradas pelo delegado da Polícia Civil do município de Sapezal, Valmon Pereira da Silva, dentro do programa De Cara Limpa Contra as Drogas.

No mês de abril, os projetos tiveram como foco a Campanha Escola Segura com o foco orientações no campo preventivo da violência no âmbito escolar, ocasião em que foram realizados mais de 5 mil atendimentos na Capital e no interior do estado.

A campanha visa orientar alunos sobre o cyberbullying, prática que envolve o uso de tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos hostis com a intenção de ameaçar, como o compartilhamento de fotos ou vídeos que façam menção a supostos ataques alcançou duas escolas particulares de Cuiabá.

A valorização da vida foi o principal tema abordado pelos projetos sociais durante na Campanha Setembro Amarelo de Sensibilização e Prevenção ao Suicídio. Na ocasião, foram realizadas ações na Capital e interior do estado que ultrapassaram a marca de 1 mil atendimentos somente na segunda quinzena de setembro.

 

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia MT

Mais de 600 motocicletas são fiscalizadas em operação da PRF

Publicado

Um motociclista foi preso, pois contra ele havia um mandado de prisão expedido pelo crime de tráfico de drogas

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) realizou ontem (21), em todas as regiões de Mato Grosso, a Operação Rodovida Temática Motocicletas. O foco foi a fiscalização de motocicletas e similares com objetivo de diminuir acidentes envolvendo esse tipo de veículo.

As ações aconteceram em pontos das rodovias federais com maior índice de acidentes e infrações, especialmente perímetros urbanos.

Foram fiscalizadas 625 motocicletas, 93 acabaram removidas ao pátio. Foram emitidos 346 autos de infração, a maioria por irregularidades na Carteira Nacional de Habilitação, como não possuir habilitação ou estar com CNH vencida ou suspensa. 

Um motociclista foi preso em Cuiabá, pois contra ele havia um mandado de prisão expedido pelo crime de tráfico de drogas.

A Operação Rodovida 2019/2020 iniciou em 20 de dezembro e segue até março. A ação do Governo Federal, coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da PRF, tem como meta reduzir a violência no trânsito e os custos sociais deles decorrentes.

Leia mais:  Polícia Civil identifica grupo criminoso envolvido em roubos e homicídio em Sinop

Neocleciana Gonçalves –

SECOM PRF MT

Fonte: PRF MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana