Tecnologia

Segurança importa, e muito, no smartphone; saiba como se proteger

Publicado

Olhar Digital

segurança arrow-options
shutterstock

Você acha que seu smartphone está seguro agora?


“Não habilite a instalação a partir de fontes desconhecidas. Só instale apps do Google Play. Se fizer isso, não precisa de antivírus”. Durante muito tempo, essas foram as principais recomendações aos usuários de smartphones Android para manter a segurança . Mas os tempos mudaram, as estratégias dos criminosos também, e hoje isso não é mais o bastante. Foi o que apresentou a Kaspersky durante a 13ª Cúpula Latino-Americana de Cybersegurança , realizada no final de agosto em Puerto Iguazu, Argentina.

Quando falamos em segurança em smartphones, há quem “ria na cara do perigo”, dizendo “pode invadir, não tenho nada no meu celular!”. Cláudio Martinelli, Diretor Geral da Kaspersky na América Latina, tem uma resposta na ponta da língua para esse tipo de usuário:

“Tem o telefone da mãe dele lá. Que pode ser o alvo de um sequestro, de uma chamada feita de uma prisão. Tem o endereço da sua casa, da sua família. Tem a sua localização geográfica, tem o caminho que você faz de sua casa pro seu trabalho.

Você não deixa a porta da sua casa aberta quando sai pro trabalho, você passa a chave e põe tranca no portão. Com seu celular é a mesma coisa: ele é a porta de entrada mais próxima da sua vida física, não da sua vida digital. Está tudo lá. Ninguém nesse mundo sabe mais da sua vida do que o seu celular, ele sabe mais do que a sua esposa, do que sua mãe. É uma presunção muito grande alguém achar que não corre risco.”

Leia também: Android 10 traz melhorias significativas em segurança

E as ameças são reais. Segundo a empresa, entre julho de 2018 e Julho de 2019 o Brasil ocupou a 7ª posição no ranking mundial de países mais atacados por malware , com 22 ataques por segundo. Se considerarmos apenas os dispositivos móveis, são 6,2 ataques por segundo na América Latina.

A principal ameaça é AdWare , um tipo de malware que infecta o smartphone e bombardeia o usuário com anúncios, muitas vezes ao ponto de tornar impossível usar o aparelho. Outro perigo comum são os ataques de phishing , quando o criminoso “joga uma lábia” e, se passando por uma central de banco, por exemplo, convence a vítima a divulgar dados confidenciais, como o número de uma conta ou cartão e sua senha.

Leia mais:  Novo secador de roupas da Xiaomi alisa as peças e é controlado pelo celular

Mas há outros perigos. Um deles, apresentado pela primeira vez durante o evento, é o BRATa , um RAT (Remote Administration Tool, Ferramenta de Administração Remota) que foi distribuído através do Google Play e, em uma de suas muitas versões, chegou a ter mais de 10 mil downloads antes de ser removido da loja. Uma vez instalado, o BRATa permite que um malfeitor tenha controle total sobre o aparelho da vítima, inclusive com a capacidade de ver em tempo real tudo o que está acontecendo na tela.

Leia também: Proteja-se: golpe rouba conta WhatsApp e já afetou 8,5 milhões de brasileiros

Segundo Santiago Pontiroli, Analista de Segurança da Kaspersky, o malware abusa de um serviço legítimo do Android, o serviço de acessibilidade, para infectar aparelhos. Isso torna qualquer smartphone Android equipado com este serviço (praticamente qualquer aparelho com Android 5.0 ou mais recente) seja uma vítima em potencial. Smartphones infectados não mostram nenhum “sintoma” particular (como anúncios fora de hora ou lentidão), e uma vez que tenha cumprido sua missão o malware pode ser removido remotamente pelos criminosos, sem deixar vestígios no aparelho.

O alvo dos bandidos, claro, são credenciais bancárias, já que 65% das transações bancárias no Brasil são feitas através de smartphones. E uma vez que os criminosos tem seus dados, o prejuízo vem rápido.

“O criminoso brasileiro é muito imediatista, ele quer ter um ganho de forma rápida, é o que eles chamam de correria. Se eles pegam sua credencial agora, em menos de 30 minutos sua conta vai ser invadida ou seu cartão vai ser clonado, é super rápido. Eles têm essa agilidade porque sabem que as equipes anti-fraude também estão trabalhando, então querem aproveitar o momento”, diz Fabio Assolini, Pesquisador Sênior de Segurança na Kaspersky.

Leia também: Cabo ‘pirata’ caseiro da Apple é capaz de hackear computadores; conheça

Mas não só as credenciais bancárias que são valiosas. Dados pessoais, como nomes completos, endereço e número de CPF podem ser usados para habilitar outros golpes no futuro. Segundo Assolini, “as informações pessoais do usuário vão apoiar a fraude financeira. Com o passar do tempo os bancos passaram a exigir alguns dados para confirmar operações e o criminoso se viu num mato sem cachorro. Então o que eles começaram a fazer? Investir esforços na obtenção de dados pessoais. Alguns criminosos viram oportunidade nisso e constroem sistemas gigantescos com um monte de bases de dados vazadas e vendem esses dados como um serviço pra outros criminosos.”

Leia mais:  Desinstale esses 17 aplicativos do seu celular imediatamente

E como se proteger?

A primeira dica é ter um pouco de senso crítico: ameaças como o BRATa, por exemplo, se espalham disfarçadas de “atualizadores” de apps populares como o WhatsApp ou CCleaner , aproveitando-se do fato de que muitos usuários não sabem que no Android os apps se atualizam automaticamente, sem precisar de uma ferramenta especial para isso.

Muitas vezes, o “gancho” para fisgar o usuário são correntes espalhadas via Facebook ou WhatsApp, alertando o usuário da necessidade “urgente” de uma atualização para não ficar sem acesso ao serviço, seguidas, claro, de um prático link direto para o malware. Às vezes, as mensagens podem vir de um familiar ou amigo, que inocentemente as repassa “por via das dúvidas”.

Leia também: Como empresas e redes online combatem assédio virtual contra a mulher

Martinelli dá outras dicas, como nunca repetir senhas e usar um gerenciador, que pode criar senhas fortes para cada site que você visita armazenadas em um “cofre” protegido por uma senha mestre. Isso é especialmente importante numa época em que a quantidade de serviços que utilizamos aumenta exponencialmente, e a tentação de ter uma “senha única” para “facilitar as coisas” (e poupar sua memória) é grande.

Por fim, ele recomenda a seletividade: evite conectar-se a qualquer Wi-Fi grátis que aparece nas redondezas, pois ele pode ser uma armadilha para interceptar seus dados enquanto você navega. Vai fazer compras em um site no qual não confia?  “Use um endereço de e-mail temporário, que não te vincule à sua conta principal. Você não controla com que frequência esse site é atualizado, quais as medidas de segurança que ele usa, então é uma chance de você se anonimizar, se tornar diferente em cada serviço pra não deixar rastros”.

E, claro, coloque um antivírus no celular.

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Cientistas criam primeiros robôs vivos a partir de células-tronco

Publicado

source

Olhar Digital

Xenobots são robôs criados a partir de células-tronco de uma espécie de sapo africano arrow-options
Universidade de Vermont

Xenobots são robôs criados a partir de células-tronco de uma espécie de sapo africano


Pesquisadores da Universidade de Vermont e da Universidade Tufts , nos EUA, desenvolveram os primeiros ” robôs ” programáveis construídos com tecido vivo. Batizados de Xenobots , eles são construídos a partir de células-tronco embriônicas de uma espécie de sapo africano e podem trabalhar grupos, caminhar e nadar em um organismo e sobreviver semanas sem comida.

Segundo os pesquisadores, eles são “formas de vida completamente novas, nunca vistas na natureza”, com corpos projetados por um supercomputador. “Eles não são um robô tradicional nem uma espécie conhecida de animal. São uma nova classe de artefato: um organismo vivo e programável”, disse Joshua Bongard, um dos líderes da pesquisa na Universidade de Vermont, em um comunicado à imprensa.

Leia também: Gato robô sem cabeça faz sucesso na CES; veja o vídeo

Os robôs tradicionais “degradam-se com o tempo e podem produzir efeitos colaterais prejudiciais à saúde e ao ecossistema”, disseram os pesquisadores no estudo, publicado na segunda-feira no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences. Como máquinas biológicas, os xenobots são mais “amigáveis” ao meio-ambiente e mais seguros para a saúde humana, segundo o estudo.

Leia mais:  Instagramáveis: 10 lugares em São Paulo perfeitos para suas fotos no Instagram

Os xenobots podem sobreviver em ambientes aquosos sem nutrientes adicionais por dias ou semanas – tornando-os adequados para a administração interna de medicamentos. Também podem se “consertar” quando danificados. Mas uma coisa que não podem fazer, por decisão dos cientistas, é se reproduzir. Eles se alimentam de lipídios e depósitos de proteína em suas células, e podem viver cerca de uma semana sem alimentos extras, ou mais tempo em um ambiente rico em nutrientes.

Utilidade

Os robôs poderiam potencialmente ser usados para uma série de tarefas, como limpar resíduos radioativos, coletar microplásticos nos oceanos, transportar remédios para dentro de corpos humanos ou até mesmo viajar para nossas artérias para remover placas de gordura. Além disso, também podem nos ajudar a compreender melhor os mecanismos da biologia celular.

“Se pudéssemos criar uma forma biológica em 3D sob demanda, poderíamos reparar defeitos de nascimento, reprogramar tumores em tecidos normais, regenerá-los após lesões traumáticas ou doenças degenerativas e derrotar o envelhecimento”, disseram os pesquisadores. Esta pesquisa pode ter “um enorme impacto em áreas da medicina regenerativa como construção de partes do corpo e indução da regeneração”.

Leia mais:  Vire à esquerda, companheiro! Waze ganha voz do Lula para guiar motoristas

Fonte: CNN

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Instagram remove contas de apoiadores de general iraniano morto pelos EUA

Publicado

source

Olhar Digital

Publicações e contas solidárias ao general Qassem Soleimani,  morto pelos EUA, estão sendo banidas do Instagram arrow-options
Wikimedia Commons

Publicações e contas solidárias ao general Qassem Soleimani, morto pelos EUA, estão sendo banidas do Instagram


O Instagram está removendo contas e publicações que apoiam o general iraniano Qassem Soleimani de sua plataforma. A rede social, que pertence ao Facebook , é uma das poucas que não está bloqueada no Irã. Um porta-voz do Facebook disse, em comunicado à CNN, que a atitude é feita para cumprir as sanções dos EUA .

O general Qassem Soleimani era um dos homens mais poderosos do Irã, muito próximo ao líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei , e considerado o principal nome da inteligência militar iraniana. Soleimani foi morto no dia 2 de janeiro, em um ataque aéreo feito pelos EUA , em Bagdá, no Iraque .

Em protesto, o governo iraniano pediu uma ação legal, em todo o país, contra o Instagram . Chegaram até a criar um portal em um site do governo para que os usuários do aplicativo enviassem exemplos de postagens removidas pela plataforma, de acordo com a mídia local.

Leia mais:  Brasil tem primeiro bebê registrado por Blockchain; entenda como funciona

Reprodução

Ao contrário do Instagram, o Twitter e o Facebook estão bloqueados no país, mas alguns iranianos acessam esses sites usando VPNs.

Um porta-voz do Twitter alegou que sua rede não está removendo postagens de apoio a Soleimani . Segundo ele, desde que os usuários do Twitter cumpram as regras da empresa, suas postagens não serão removidas.

Leia também: Anúncios políticos: Facebook e Instagram vão oferecer mais controle a usuários

Mão do governo

O Instagram encerrou a conta de Soleimani em abril do ano passado, depois que o governo norte-americano designou o Corpo Revolucionário da Guarda Islâmica (IRGC) como um grupo terrorista. Soleimani era um comandante do IRGC.

Em um tuíte condenando a plataforma, o porta-voz do governo do Irã, Ali Rabiei, chamou as ações do Instagram de “antidemocráticas”.

Como parte de sua conformidade com as leis norte-americanas, o porta-voz do Facebook disse que a empresa remove contas executadas por, ou em, nome de pessoas e organizações sancionadas. Ela também remove postagens que recomendam as ações de partes ou indivíduos sancionados. O porta-voz alegou ainda que o Facebook tem um processo de apelação, caso os usuários acreditem que a postagem foi removida por engano.

Leia mais:  Agora dá para desenhar em realidade aumentada no Snapchat; veja como

Via: CNN Business

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Polícia MT

Mato Grosso

Política MT

Política Nacional

Economia

Mais Lidas da Semana