Nacional

Serial Killer? Homem que enforcou servidora confessa outro crime

Publicado

Marinésio dos Santos Olinto confessou os crimes na delegacia arrow-options
Reprodução/Polícia Militar

Marinesio dos Santos Olinto, suspeito de ter matado advogada


Além de ter confessado ter matado a advogada servidora do Ministério da Educação Letícia Sousa Curado , de 26 anos, o cozinheiro desempregado Marinésio dos Santos Olinto disse para a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) que em junho ele matou outra mulher. 

O corpo de Genir Pereira de Sousa , 47, que trabalhava em uma pizzaria , foi encontrado em 12 de junho de 2019, dez dias depois da última vez em que foi vista pela última vez também em um ponto de ônibus. 

Leia também: Corpo de advogada servidora do MEC é encontrado; Homem confessa que a enforcou

A advogada, que conhecia o suspeito do bairro, pegou carona com ele quando foi sequestrada às 7h na sexta-feira (23). Ela ia para o trabalho, na Esplanada dos Ministérios , em Brasília . A família desconfiou do desaparecimento porque ela não foi ao almoço com a mãe às 12h.  Letícia deixa um filho de apenas três anos.

Cozinheiro desempregado, o suspeito foi preso na madrugada deste domingo . Policiais encontraram no carro dele objetos da vítima, que foi encontrado em uma manilha de esgoto, perto da fábrica de semente Pioneer, na DF-250. 

Leia também: Funcionária do MEC desaparece a caminho da Explanada dos Ministérios

Para a  Polícia Civil , o suspeito teria dito que já tinha visto Letícia nas ruas do bairro. Quando a viu, ele parou o carro e lhe deu carona. No percurso, ele a assediou, mas ela se negou. Em seguida, ele a enforcou até a morte e abandonou o corpo dentro da manilha de esgoto. 

“Buscamos outras ocorrências cujo modus operandi se assemelha muito a esse: pessoas do sexo feminino que desapareceram após serem abordadas em paradas de ônibus. Mas ainda é tudo muito superficial”, afirmou o delegado Fabrício Augusto Machado em coletiva de imprensa. 

Machado não descarta abuso sexual contra Letícia. “Na carona que deu para ela, Marinésio parou o carro na DF-130 e teria perguntado se havia a possibilidade de os dois terem uma relação sexual, dando início a uma discussão. Ela começou a gritar e, naquele momento, segundo o relato dele, ele a teria esganado.”

Caso Genir

Genir Pereira de Sousa trabalhava ia para o ponto de ônibus quando foi sequestrada arrow-options
Facebook/Reprodução

Genier Pereira de Sousa foi assassinada em junho


Segundo a Polícia, o corpo de Genir foi encontrado em uma mata entre a região em que trabalhava e a que morava, em Planaltina.

Quem comunicou o desaparecimento foi a dona da pizzaria em que Genir trabalhava. Segundo ela contou na delegacia, em 15 anos de trabalho, a mulher nunca havia faltado, considerada responsável. Genir também desapareceu em um ponto de ônibus no Distrito Federal. 

A Polícia Civil investiga se o suspeito se passou por motorista clandestino para atrair as vítimas e se ele é autor de outros crimes. 


Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Jiboia é encontrada por funcionários em prédio da UFRJ; assista

Publicado

Homem recolhendo cobra na UFRJ arrow-options
Reprodução

Animal foi removido na tarde desta segunda (4)

Uma jiboia foi encontrada e retirada de uma das unidades da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) nesta segunda-feira (4), na Ilha do Fundão. Segundo informações divulgadas pela Associação de Docentes da UFRJ, a AdUFRJ, a cobra foi encontrada por volta de 12h por funcionários que faziam a limpeza do bloco A do Centro de Tecnologia (CT).

A Associação informou ainda que a Brigada de Incêndio da Coppe foi acionada para remover o animal com segurança. Mesmo atraindo uma grande quantidade de alunos, professores e funcionários, muitos que frequentam o campus da universidade relatam que não é a primeira vez que um animal aparece por ali. Segundo o aluno Huang Ken Wei, mestrando no Programa de Planejamento Energético da Coppe, outros animais também costumam aparecer no local.

Leia também: Mulher é encontrada morta com cobra no pescoço em ‘casa de répteis’

“Já vi cavalos e muitas aranhas enormes. Ali no subsolo do CT tem muita coisa. É provável que se vasculharem ali, os funcionários vão achar outros animais. Os alunos dizem que tem até jacaré no mangue!”

Já o aluno Matheus Soliz, que cursa Letras na UFRJ, conta que nunca viu algum tipo de animal silvestre no campus, mas que o aparecimento da cobra na universidade deixou um clima de insegurança entre os alunos.

Leia também: Briga entre vespa e cobra-coral por corpo de outra cobra viraliza; assista

“Nunca vi nenhum tipo de animal potencialmente perigoso no campus. Mas a história da jiboia me deixa um pouco inseguro. Se é possível aparecer no CT, o prédio com a melhor infraestrutura da UFRJ e cheio de recursos, pode muito bem aparecer no meu prédio, a Letras, que tem uma infraestrutura que deixa muito a desejar”, lamentou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Polícia prende mais um suspeito de participar do assalto de Viracopos

Publicado

Assalto em Viracopos arrow-options
Redes sociais / Reprodução

Suspeito de participar do assalto foi preso em Caruaru.

A polícia prendeu no domingo mais um suspeito de participar do assalto a um carro forte no aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo. O homem, não-identificado, de 34 anos, foi detido nas proximidades da Feira da Sulanca, em Caruaru (PE). Com ele foram apreendidos cerca de R$ 300 mil em espécie. Segundo a Polícia Federal, o preso também é suspeito de participar de assaltos a bancos e transportadoras de São Paulo.

Leia também: Polícia prende três suspeitos de participar do roubo ao Aeroporto de Viracopos

A PF também prendeu outro homem. A suspeita é de que eles estavam planejando praticar algum roubo no Agreste pernambucano.

O assalto em Viracopos ocorreu no dia 17 de outubro e terminou com três pessoas mortas e quatro baleadas. Pelo menos seis bandidos fortemente armados invadiram o portão E24 do terminal em caminhonetes semelhantes às da Aeronáutica. O bando conseguiu entrar e fugir com dois malotes de dinheiro. Mais de dez membros da quadrilha esperavam do lado de fora.

Após bloqueio de rodovias e troca de tiros com policiais, todo o dinheiro roubado foi recuperado. Um dos criminosos chegou a invadir uma casa no bairro Vida Nova e fazer dois reféns.

Leia também: Criança de 2 anos joga carro dentro de piscina no interior de São Paulo

Mais de 20 malotes com valores em espécie, avaliados em R$ 13 milhões, estavam na mira do bando. Na hora do roubo , eram escoltados pela transportadora de valores Brink’s.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana