Economia

Setor de franquias cresce 6,4% no primeiro semestre

Publicado

O faturamento do setor de franquias nacional teve crescimento de 6,4% no primeiro semestre do ano. A receita subiu de R$ 79,496 bilhões para R$ 84,586 bilhões. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising (ABF). Nos últimos 12 meses, a receita do mercado de franchising evoluiu 6,9%, atingindo R$ 179,933 bilhões.

Já no segundo trimestre io setor registrou crescimento nominal de 5,9%, em comparação a igual período do ano passado, com a receita evoluindo de R$ 40,734 bilhões para R$ 43,122 bilhões.

Segundo o presidente da ABF, André Friedheim, as redes de franquia “estão performando acima da média dos negócios independentes. Temos marcas fortes, ganho de escala, muita inovação”, disse. Ele relatou que o  mercado de franquias tem novos formatos que permitem que as empresas sejam mais eficientes na sua operação.

Apesar do resultado positivo,segundo o presidente da ABF, o setor já apresentou números mais positivos que os atuais, que sofreram o efeito da crise econômica.

“O grau de confiança do consumidor oscilou para baixo. Isso refletiu nas vendas do varejo como um todo. Nós não somos imunes a esse tipo de acontecimento.” Esse fator levou a ABF a rever a projeção de crescimento anual do faturamento de 8% para 7%. As demais projeções foram mantidas e envolvem aumento de 5% para o emprego, de 5% para unidades franqueadas e de 1% para redes franqueadas.

expofranquias,feira de franquias no centro de convenções Ulisses Guimarães

as redes de franquia “estão performando acima da média dos negócios independentes, diz da Associação Brasileira de Franchising (ABF), André Friedheim – Agencia Brasil

A revisão do crescimento do faturamento para baixo foi feita em função dos números do segundo trimestre que ficaram abaixo da meta de 6,5% a 7% “porque, geralmente, o segundo trimestre é mais forte, com datas comemorativas mais importantes, que fariam com que a gente chegasse a 8% (no ano). O primeiro semestre foi melhor que o segundo. Por isso, revisamos um pouquinho para baixo a previsão.”

Serviços em destaque

André Friedheim afirmou que as microfranquias têm um peso importante no crescimento do setor, porque são franquias de serviços mais baratas para se investir. As franquias tradicionais, mais caras, têm tido um desempenho melhor.

De acordo com ele, na última feira de franquias, realizada em junho passado, em São Paulo, um número significativo de pessoas mostrou interesse em investir em franquias de todos os tipos. “Tanto as micros, como as franquias tradicionais”. Por isso, a previsão é de que no terceiro trimestre haja um “bom número” de abertura de franquias e de novos franqueadores entrando no mercado.

De acordo com a ABF, o setor franqueado que mais cresceu no segundo trimestre de 2019 foi o de serviços e outros negócios (8,9%). “Falo isso pelo processo de profissionalização que passamos no setor de serviços, no Brasil”.

Os 11 setores acompanhados pela ABF mostraram aumento no segundo trimestre em relação ao mesmo período de 2018. Em segundo lugar, serviços educacionais tiveram expansão de 8,7%, revelando áreas novas, como ‘games’ (jogos) e robótica, por exemplo, além das franquias de escolas de idiomas. Em terceiro posto aparece comunicação, informática e eletrônicos, com alta de 8,5%. “Tudo que é comércio ligado a celulares. Isso tem crescido bastante”.

No primeiro semestre do ano, o segmento de serviços e outros negócios continuou liderando, com alta de 9,3%, seguido de casa e construção e comunicação, informática e eletrônicos, com 9,1% cada. Serviços educacionais aparecem na terceira posição em termos de expansão, com 8,4%.

André Friedheim avaliou que serviços devem permanecer acelerando no resto do ano, embora haja perspectiva de recuperação das franquias de alimentação no segundo semestre, com crescimento adaptado às novas plataformas, com menor frete, maior capilaridade e facilidades de entrega. “Acho que essas franquias voltam a crescer em modelos alternativos”.

Empregos

O total de empregos diretos gerados pelo setor de franquias aumentou 10% no segundo trimestre deste ano comparativamente ao mesmo trimestre do ano anterior. O número de trabalhadores com carteira assinada subiu de 1.224.987 para 1.348.235.

De acordo com a ABF, as franquias já começam a entrar em outras cidades, saindo um pouco do eixo Rio de Janeiro-São Paulo. Atualmente, 45% dos municípios brasileiros já têm uma operação de franquia, informou o presidente da entidade. Os maiores crescimentos, em termos de receita, foram observados nas regiões Sul, de 9,7% para 10,3% do total do mercado; Nordeste (de 13,6% para 13,9%) e Centro-Oeste (de 8,4% para 8,6%). “Tem boas referências em cada uma dessas regiões do país”, disse Friedheim. Em relação aos estados, os que mais ganharam participação em faturamento foram Santa Catarina (4% para 4,5%), Mato Grosso (1,9% para 2,1%) e Minas Gerais (7,7% para 7,9%).

O presidente da ABF avaliou que a 13ª Expo Franchising ABF Rio, que ocorrerá entre os dias 12 e 14 de setembro próximo, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro, tem expectativas grandes em termos de resultados para o setor. A mudança do local do Riocentro, na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense, para a região central da cidade, deverá contribuir para facilitar a mobilidade e ampliar o número de visitantes. Friedheim espera um público de 22 mil pessoas durante o evento. “A expectativa é muito boa”.

Reconhecida como uma das mais importantes feiras de franquias da América Latina, a Expo ABF Rio trará cerca de 200 marcas expositoras dos mais diversos segmentos. Friedheim estima que haverá aumento de franquias do setor de serviços no estado. Pela segunda vez, a feira trará um espaço dedicado a Portugal, onde serão mostradas as opções de negócios para brasileiros que se mudam para aquele país.

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook
publicidade

Economia

13º salário movimentará R$ 3,3 bi em MT.

Publicado

O pagamento do 13º salário dos mato-grossenses deve injetar R$ 3,3 bilhões na economia do estado. O dado é do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e foi divulgado na última terça-feira (5) pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Cuiabá).

A expectativa do comércio é de que a liberação do recurso ajude nas vendas do final do ano. A previsão é um incremento de 5% a 7% nas vendas de Natal.

Em relação a 2018 o pagamento dos setores públicos e privados ficou em R$ 3,1 bilhões, ou seja, houve um incremento de 5% em 2019, onde o salário médio subiu de R$ 2.790 mil para R$ 2.907 mil, crescimento de 4,2%.

O Dieese aponta também que o 13º será liberado a 339,8 mil aposentados e pensionistas. Eles ficarão com 21% do valor total, com a soma de R$ 719 milhões e salário médio de R$ 2.115,63.

Já os 903,6 mil trabalhadores do mercado formal receberão R$ 2,6 bilhões (78,5%), com média de R$ 2.907,11 por pessoa.

Até dezembro de 2019, o pagamento do 13º salário deve injetar na economia brasileira mais de R$ 214 bilhões, cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Fonte: G1, MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Tesouro capta US$ 3 bi no exterior com juros mais baixos em sete anos

Publicado

O Tesouro Nacional captou US$ 3 bilhões de investidores internacionais com as menores taxas de juros em sete anos. O dinheiro veio da emissão, feita hoje (21), de US$ 2,5 bilhões em títulos da dívida externa com vencimento em janeiro de 2050 e de US$ 500 milhões em títulos da dívida externa com vencimento em maio de 2029.

A taxa obtida na emissão dos papéis de cerca de 30 anos, com vencimento em 2050, somou 4,914% ao ano. Esse foi o segundo menor juro da história para esse tipo de título, superior apenas à taxa obtida na emissão de novembro de 2011 (4,694% ao ano). Para os papéis de 10 anos, com vencimento em 2029, a taxa totalizou 3,809% ao ano, também a segunda menor da história, maior apenas que os juros de 3,449% ao ano obtidos na emissão de janeiro de 2012.

Por meio do lançamento de títulos da dívida externa, o governo pega dinheiro emprestado dos investidores internacionais com o compromisso de devolver os recursos com juros. Isso significa que o Brasil devolverá o dinheiro daqui a vários anos com a correção dos juros acordada, de 3,809% ao ano para os papéis que vencem daqui a 10 anos, e de 4,914% ao ano para os papéis que vencem daqui a 31 anos.

Taxas menores de juros indicam redução da desconfiança dos investidores de que o Brasil não conseguirá pagar a dívida. Com os sucessivos rebaixamentos sofridos pelo país, os estrangeiros passaram a cobrar juros mais elevados para comprar os papéis brasileiros.

O Tesouro Nacional aproveitou cerca de US$ 1 bilhão dos recursos obtidos com a emissão do título com vencimento em 2050 para recomprar títulos da dívida externa pública brasileira em circulação no mercado. A retirada desses papéis, explicou o Tesouro Nacional, reduz o custo do endividamento do Brasil no exterior.

Histórico

Na última emissão de papéis de aproximadamente 10 anos, em março deste ano, o Brasil havia captado US$ 1,5 bilhão no exterior com juros de 4,7% ao ano . Os juros estão inferiores aos registrados em março de 2016, quando o Tesouro tinha captado US$ 1,5 bilhão no exterior com taxas de 6,125% ao ano.

Na última emissão de papéis de cerca de 30 anos, em janeiro de 2018, o Brasil havia captado US$ 1,5 bilhão no exterior com juros de 5,6% ao ano . Na ocasião, as taxas haviam sido as mais baixas em quatro anos.

A taxa do título brasileiro foi 265 pontos-base mais alta que a dos títulos do Tesouro americano de 30 anos e 203 pontos-base maior que a dos papéis americanos de 10 anos. Isso significa que o Tesouro Nacional pagará juros 2,65 pontos percentuais acima dos papéis de 30 anos emitidos pelo governo dos Estados Unidos e taxas 2,03 pontos acima dos bônus norte-americanos de 10 anos. Os títulos norte-americanos são considerados os papéis mais seguros do mundo.

Grau de investimento

De acordo com o Tesouro Nacional, tanto os juros como o spread – diferença entre os juros dos títulos do governo brasileiro e do governo dos Estados Unidos – está muito próximo do período em que o Brasil tinha grau de investimento (selo de bom pagador concedido pelas agências internacionais de classificação de risco). O Brasil perdeu o grau de investimento das agências de risco entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016.

A operação de hoje atraiu o interesse dos investidores. Segundo o Tesouro, a demanda superou a oferta em três vezes para os títulos com vencimento em 2050 e em cinco vezes para os papéis com vencimento em 2029.

Os recursos captados no exterior serão incorporados às reservas internacionais do país em 14 de novembro. De acordo com o Tesouro Nacional, as emissões de títulos no exterior não têm como objetivo principal reforçar as divisas do país, mas fornecer um referencial para empresas brasileiras que pretendem captar recursos no mercado financeiro internacional.

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana